domingo, 4 de junho de 2017

Transfiguração

Transfiguração


1.                  Informações básicas
- Jesus Tranfigura-se
- Oração – Jesus mostra nossa glória de filhos de Deus
- Leituras: Dn 7, 9-10.13-14; sl 96, 2Pd 1,16-19; Mt 17,1-9


2. Esquemas

1º Esquema
Foi transfigurado... (metamorfuste) mudou a forma, no corpo humano do Mestre de Nazaré aparece o resplendor de sua divindade, Moisés e Elias vem representar a Lei e a Profecia que se cumprem no filho de homem, no ser humano conforme a primeira leitura, no qual aparece o resplendor da divindade, como  São Pedro se apresenta como testemunha desse evento. Queremos ver então através da Sacratíssima humanidade de Jesus sua divindade, agora de rosto descoberto podemos ter uma verdadeira ponte para contemplar o Pai e viver na comunhão da Trindade. Deus é rei e reina.

2º Esquema
É bom ficarmos aqui... Que ninguém condene Pedro, a testemunha escolhida para este evento da transfiguração do Verbo Encarnado, nós com ele queremos exclamar é bom estar na presença de Deus, no conforto de nossa humanidade conhecida, com Daniel contemplamos a glória de Deus num filho de homem, num ser humano. Que a terra se extasie na presença do Rei.

3º Esquema

Este é o meu Filho amado, ... Escutai-o. A Sagrada Escritura, em Elias e Moisés, apontam para o Filho do Homem que se transfigura, o amado do Pai, mas devemos escutar a Palavra que se faz carne, queremos contemplar como Pedro Testemunha na segunda leitura ou Daniel na Primeira, que nos extasiemos diante da Eucaristia e também da Palavra na Sagra da Escritura. O Deus que nos governa está aí que contemplemos. 

17º Domingo do Tempo Comum A

17º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Decisão pelo Reino
- Oração – usemos os bens que passam para abraçar os que não passam.
- 1 Rs 3, 5.7-12; Sl 118; Rm 8, 28-30; Mt 13, 44-52

1º Esquema
O Reino de Deus é como um tesouro, e somos chamados a decidir pelo Reino, para isso somos chamados a fazer todo o tipo de sacrifício, vender tudo para adquirir o tesouro, esse processo de optar pelo bem eterno em meio aos transitórios é a sabedoria que Salomão pede a Deus , um coração compreensivo, que saiba distinguir entre o bem e o mal, somos predestinados ao bem eterno, e a nós compete viver de acordo com a nossa vocação


2º esquema
O ser humano é chamado sempre a discernir entre o bem e o mal, essa é a verdadeira sabedoria, que sabe entender e compreender a realidade, quando assim o fazemos passamos a entender que tudo em nossa vida coopera para o bem daqueles que amam a Deus e sua lei, no final dos tempos o discernimento aprendido e realizado vai nos preparar para o julgamento de Deus.

3º esquema


O mestre da lei que se torna discípulo do Reino de Deus é como um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas, a exemplo de Salomão, como o exemplo de sábio, aquele que ama a lei de Deus no Reino de Deus sob a graça pode ter o discernimento perfeito a partir do seu coração, a sede do discernimento, e saber tirar coisas novas e velhas, sabe relacionar a lei e a graça, e assim viver a santidade.

16º Domingo do Tempo Comum A

16º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Deus é justo
- Oração – Repletos de fé, esperança e caridade.
- 1ª Leitura Sb 12, 13.16-19; Sl 85; rm 8, 26-27; Mt 13, 24-43

1º Esquema
Deixai crescer um ao lado do outro. Deus é paciente,e é essa paciência, ou clemência, como é dito no salmo, que faz com que a justiça seja feita no julgamento, a Providência de Deus intervém com sua justiça, quando se manifesta verdadeiramente aquilo que o ser humano é, como na primeira leitura, até os atos maus dos ser humano, servem para mostrar a bondade de Deus, quanto a nós não entendemos muita coisa, como os empregados da parábola, por isso que Espírito mova nosso coração para entender e se não entregarmos a nossa vida à Justa Providência de Deus.


2º esquema
O reino de Deus é como a semente de mostarda. Deus age, o seu reinado sobre o mundo, é a partir de pequenos sinais, pequenas moções do Espírito Santo em cada um de nós, essa ação em cada ser humano produzirá o arvoredo da Igreja, a ação misteriosa de Deus, e como na primeira leitura, Deus age com clemência, e quer que cada um de seus filhos sejam justos. Por isso, Deus é bom, clemente e fiel, e age assim na sua criação.

3º esquema


O Reino de Deus é como fermento, o fermento age corrompendo a massa, a partir de dentro, o cristão pela sua justiça recebida de Deus, vai transformando a si mesmo e a sociedade, se torna fermento no mundo, e mesmo diante da maldade do outro, esse fermento deve continuar agindo. Que o Espírito venha em socorro de nossa fraqueza para cada um de nós seja sinal do Reino de Deus no mundo, e demonstre que Deus é justo, clemente e fiel.

15º Domingo do Tempo Comum A

15º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
-  O Semeador e a semente
- Oração – a luz da verdade para ser cristão.
- 1ª Leitura Is 55, 10-11; Sl 64; Rm 8, 18-23; Mt 13, 1-23

1º Esquema
“O Semeador saiu para semear” Esta parábola é contada para o semeador, o evangelizador que deve confiar na eficácia da Palavra, mas que enfrenta diversas situações, sejam os espinhos do mundo, seja a ação do demônio ou aqueles que não tem raiz em si mesmo, mas o evangelizador deve confiar na eficácia da Palavra que ao cair não volta sem produzir fruto, frutos do Espírito no dizer de São Paulo.


2º esquema
A semente que caiu em boa terra é aquele que ouve a palavra e a compreende, é missão do Evangelizador confiar na eficácia da Palavra que não cai sem produzir frutos, mas é sua missão ajudar o terreno a acolher e produzir, a produção pode ser diversa seja 30, 60 ou 100, o importante não é a quantidade mas a produção, por isso, até o dia em que na eternidade, toda a criação chegará a sua plenitude, e que pregustamos pelos frutos do Espírito.

3º esquema
Mas ele não tem raiz em si mesmo, dentre os terrenos o pedregoso é aquela pessoa que é rasa, cuja compreensão da Palavra é superficial, é o que o povo diz, fogo de palha, o Semeador tem que ter consciência e ajudar as pessoas a terem raiz em si mesmo, que essa compreensão aprofunde-se no coração, no centro da decisão, por isso o Espírito de Deus deve preparar o terreno, ajudar a cada um a acolher a eficácia da Palavra e produzir frutos.



Assim, em outros esquemas pode-se trabalhar o evitar os espinhos do mundo através do fortalecimento pelo Espírito ou para evitar os ataques do mal.

14 º Domingo do Tempo Comum A

14 º Domingo do Tempo Comum A

1.                  Informações básicas
- Revelação aos pequeninos
- Oração –  Dai aos que libertastes as alegrias eternas
- Leituras: Zc 9, 9-10; Sl 144; Rm 8,9.11-13; Mt 11, 25-30.


2. Esquemas

1º Esquema
 “Eu te louvo Pai...porque revelastes aos pequeninos” O louvor de Jesus, o reconhecimento e o testemunho do Pai, é que o Evangelho é revelado aos pequeninos, os humildes que acolhem com alegria e graça a Palavra de Deus proclamada e encarnada. Da mesma forma que o profeta Zacarias vislumbrava o Messias humilde sobre um jumento, os seguidores do Messias não poderiam ser diferentes, deveriam ser humildes, e é essa humildade que faz-nos abrir ao Dom do Espírito Santo que nos santifica e nos ressuscitará como Ressuscitou o Messias, por isso com Jesus bendiremos a Deus para sempre que olha os humildes e pobres.

2º Esquema
“Ninguém conhece o Pai senão o Filho...” A Palavra de Deus encarnada é que revela quem é o Pai, o conhecimento no seio da Trindade é pleno e Jesus quer-nos fazer participar desse conhecimento, para que isso aconteça devemos assumir a nossa pequenez, assumir a pobreza como o fez o Messias no dizer de Zacarias, e assim o Espírito Santo morando num coração humilde seremos de Cristo e em Cristo filhos do Pai, e assim bendiremos ao Senhor para sempre conforme o Salmo 144.

3º Esquema
“Vinde a mim vós todos que estais cansados ...sob o peso dos vossos fardos” Como cristãos acreditamos que é a graça que salva e esta graça é acolhida num coração humilde, o fardo que carregamos é uma existência orgulhosa que crê poder salvar a si mesmos, seres humanos que apostam na lei como se ela pudesse salvar por si, como os fariseus hipócritas que impunham esse fardo no pescoço dos outros, somos discípulos do Messias humilde e pobre que vem sobre um jumento, e assim imersos no Espírito Santo, Dom Pleno do Pai, seremos salvos e glorificaremos a Deus para sempre.

São Pedro e São Paulo

São Pedro e São Paulo

1.                  Informações básicas
- O Martírio de São Pedro e São Paulo
- Oração –  Seguir os ensinamentos de São Pedro e São Paulo
- Leituras: At 12, 1-11; Sl 33; 2 Tm 4, 6-8.17-18; Mt 16, 13-19.


2. Esquemas

1º Esquema
Pedro tu és Pedra. Pedro é Pedra pela proclamação de sua fé, mas como podemos separar a fé da pessoa que a proclama? Por isso Pedro se torna a Pedra da Igreja de Cristo, porque dá testemunho público de Jesus é Deus e homem, esse testemunho o leva a dar a vida pela Igreja, ser preso e martirizado, o mesmo testemunho dado por Paulo, que guardou a fé. Por isso, engrandeçamos a Deus como esses Santos Apóstolos o fizeram.

2º Esquema
Não foi a carne ou sangue, não é a fragilidade humana que pode ver em Cristo o Filho de Deus, mas a inspiração do Pai, inspiração que faz com que São Paulo seja o mestre das nações levando-as a proclamar o senhorio de Jesus. A nós hoje também seja derramado o Espírito de Deus para proclamar Jesus em nossas palavras e em nossa vida.

3º Esquema

Irei construir a minha Igreja, a Igreja é de Jesus Cristo, Pedro o primeiro a proclamar a fé juntamente com Paulo que completa a corrida e guarda a fé, tornam-se esteio da Igreja de Cristo, esse esteio não é somente pela proclamação, mas pela vida, um pela cruz e o outro pela espada, testemunham (martyria) que Jesus é Deus. Que esse martírio nos seja hoje fecundo e possa levar a Igreja Católica hoje a testemunhar Jesus como o Filho de Deus, e todos possam bendizer verdadeiramente o nome de Deus. 

12 º Domingo do Tempo Comum A

12 º Domingo do Tempo Comum A

1.                   Informações básicas
- Evangelizar na perseguição
- Oração –  A graça de amar a Deus e temer
- Leituras: Jr 20,10-13; Sl 68; Rm 5, 12-15; Mt 10,26-33.


2. Esquemas

1º Esquema
“O que vos digo na escuridão, dizei-o à luz do dia”. A evangelização é a proclamação da Verdade sem medo, com coragem, na verdadeira “parresia”. Jesus no recesso da casa, na intimidade comunica a sua verdade aos seus discípulos, estes por sua vez, devem proclamar sem medo a Verdade Evangélica, Jesus que é a Palavra de Deus encarnada  que nos traz a salvação. Consciente da perseguição que isso trará, porém cremos que Deus defende e ampara os seus evangelizadores, pois o Senhor está do nosso lado, por isso clamemos que Deus olhe pela obra evangelizadora e nos atenda pelo amor que tem pelo seu povo.

2º Esquema
“Não tenhais medo daqueles que matam o corpo”. A obra da evangelização é desejo de Deus e cada discípulo-missionário deve estar aberto à Providência de Deus que conduz essa obra. Por isso, o Senhor Jesus nos exorta a não temer os homens que matam o corpo, àqueles que torcem para que o missionário falhe, erre e caia para desdizer da Palavra de Deus, mas temer a Deus que tem o poder sobre nossa vida, corpo e alma, crer que se Deus mantém os pardais também conduzirá essa obra, mesmo em meio à perseguição, pois a evangelização é graça de Deus que nos vem por Jesus Cristo. Que o Senhor coloque com muito amor seus olhos sobre a missão da sua Igreja. 

3º Esquema

“Aquele que se declarar a meu favor diante dos homens...” Evangelizar é testemunhar que Deus enviou seu Filho, a Palavra de Deus que se fez carne, para nos salvar. Esse testemunho é por palavra e obras que proclamem a presença de Deus no mundo. Evangelizamos não somente para ter bens terrestres, mas o olhar do evangelizador vai além, proclamamos em vista da eternidade, quando receberemos a recompensa. É isso que nos fortalece na perseguição, sabendo que Deus está do nosso lado e salva a vida do pobre, e por isso podemos clamar: “Atendei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor!”

11º Domingo do Tempo Comum A

11º Domingo do Tempo Comum A

1.                  Informações básicas
- Dê-nos sempre a vossa graça
- Oração – O Senhor escolhe para o serviço
- Leituras: Ex 19, 2-6; sl 99; Rm 5,6-11; Mt 9,36-10,8.


2. Esquemas

1º Esquema
A messe é grande... O Senhor nos conclama para olhar a messe, a colheita do campo que já está pronto para colheita, isto é, as pessoas que precisam de salvação e constata que os trabalhadores são poucos. Na mesma linha do Êxodo quando o Senhor escolhe um povo para estar junto a si, para salvá-lo. E se lá precisou de Moisés, Jesus nos chama hoje a estar a serviço e rezar para que haja operários da colheita da evangelização no mundo. Aplicar a salvação recebida no Sangue de Jesus à humanidade inteira. Para que todos sejamos do Rebanho de Deus.

2º Esquema
Jesus chamou os doze.... Chamou-os pelo nome para uma tarefa específica, como chamou Moisés para liderar o povo escolhido por Deus. Somos chamados para uma vocação ao apostolado específico, nossa tarefa foi-nos confiada desde toda a eternidade, o nosso lugar nos aguarda, para realizar a salvação na nossa vida e na vida daqueles que Deus nos confia e nos confiará. Nós que provamos que Deus nos salvou quando pecadores, queremos levar essa verdade a outros, para que todos sejam salvos e forme o povo e o rebanho que é do Senhor.

3º Esquema

Jesus enviou... Nosso chamado não é para ficarmos parados e muito menos fomos nós mesmo que nos arrogamos uma tarefa tão grande de apostolado. O Senhor nos chama para realizar atos concretos de Salvação e a nós cabe contemplando os sinais de sua graça seguir o chamado de Jesus e realizar a salvação no meio do povo como Moisés cuidou do povo escolhido. Sem duvidar, da eficácia da salvação trazida pelo Sangue de Jesus sobre nós pecadores. Até o dia de sermos para sempre seu povo e seu rebanho. 

SANTÍSSIMA TRINDADE A

SANTÍSSIMA TRINDADE A

1.                  Informações básicas
- Deus Uno e Trino
- Oração – a verdadeira fé: reconhecer a glória da Trindade e adorar a Unidade
- Leituras: Ex 34, 4-6.8-9; Dn 3; 2 Cor 13, 11-13; Jo 3, 16-18.


2. Esquemas

1º Esquema
Deus amou tanto o mundo... A Santíssima Trindade manifesta-se na História como amor, amor do Pai e do Filho que se entrega para que participemos desse amor. A comunhão da Trindade deve ser vivida de tal forma que a contemplação plena de Moisés, também nós  a façamos proclamando Deus de infinita misericórdia. Mas essa vivência não é somente de boca, mas de verdade, na concórdia, na construção da paz, para que a Graça de Deus habite em nós.

2º Esquema
A Comunhão da Trindade é Unidade, nós somos chamados não a entender, mas a experimentar, como disse o Papa Bento XVI, a Trindade está em nosso DNA, a comunhão que leva a Unidade, não é algo violento, nem forçado, mas é amor doação, que mesmo diante de nosso pecado, como no caso de Moisés, Deus manifesta seu amor, e quer que o manifestemos em nossa vida, e com toda a criação proclamamos, a Vós louvor eternamente.

3º Esquema

A Igreja deve ser epifania da Trindade, por isso deve viver esse amor do Pai que enviou seu Filho Único para a nossa Salvação no Espírito. Cada um e todos nós devemos ser a epifania do amor comunhão da Trindade que leva a Unidade Onipotente, não há louvor maior a essa manifestação de Deus como a exclamação de Moisés, Deus de clemência e misericórdia, de tal forma que nossa vida louve a Deus e com toda a Criação, na Eternidade adoremos a Trindade e sua Unidade. 

Pentecostes

Pentecostes

1. Informações básicas
-  E todos ficaram repletos do Espírito Santo
- Oração – Derramai sobre a extensão do mundo os Dons do Espírito Santo.
- 1ª Leitura At 2, 2,1-11; Sl 103; 1 Cor 12, 3-7.12-13; Jo 20, 19-23


2. Esquemas

1º Esquema
“Recebei o Espírito Santo” O ressuscitado glorificado dá à sua Igreja o dom Espírito Santo para a reconciliação total com Deus e com os irmãos, somente tal reconciliação pode dar a paz ao coração humano. Essa obra do Espírito continua na História fazendo e realizando as maravilhas de Deus, e a reconciliação do ser humano com Deus, pois agora cada ser humano pode entender a Deus em sua própria língua e assim na Igreja formarem um só Corpo, por isso que Deus envie seu Espírito e renove sua Aliança.

2º esquema
Jesus sopra sobre os apóstolos dando o Espírito Santo, o mesmo vento sobre os apóstolos os constitui como Igreja evangelizadora que leva o Evangelho do Cristo morto e ressuscitado a cada um dos seres humanos, cada um em sua própria língua pode ouvir e cada um na sua especificidade pode viver a graça de Deus para o bem comum, por isso que Deus por seu Filho envie seu Espírito e renove o coração humano.

3º esquema
A quem perdoardes... A Igreja é constituída pelo Espírito, todos e cada um formam um só corpo bem unido, mas que mantém sua especificidade, judeu ou grego, livre ou escravo, pelo batismo formamos um só corpo, essa é a novidade do vinho novo, a nova comunidade do Espírito agora pode ouvir na sua própria linguagem o anuncio do amor de Deus.

4º esquema
Realizai agora as maravilhas que operastes no início da pregação do Evangelho. O Dom do Espírito não é somente para os apóstolos, como diria Sto Agostinho, na medida da nossa fidelidade à Igreja recebemos o Espírito para nos reconciliar com Deus e assim nos constituir um só corpo. Por isso, que Deus pelo seu Filho nos envie seu Espírito e nos faça verdadeira Igreja para renovar a face da terra.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

6º Domingo do Tempo Pascal A

6º Domingo do Tempo Pascal A

1.                  Informações básicas
- Jesus envia o Paráclito
- Oração – celebrar com júbilo o Mistério Pascal para a vida a corresponder ao mistério. 
- At 8, 5-8.14-17; Sl 65; 1 Pd 3, 15-18; Jo 14, 15-21

2. Esquemas

1º Esquema
“O Pai vos dará um outro defensor”, muitas vezes vivemos como se estivássemos sozinhos, a mercê de nossas próprias decisões, celebrar o Mistério Pascal nos leva a ter a consciência de que somos fracos e necessitamos de Deus, e que Ele está perto de nós como um defensor, um exortador, aquele que nos auxilia na caminhada da vida, o Espírito Santo acompanha-nos como a Igreja nascente realizando sua obra, e dentro de nós para que nossas decisões sejam conforme a vontade de Deus, por isso, Bendito seja Deus que me escutou e não rejeitou minha oração.

2º Esquema
“Não vos deixarei órfãos”, a orfandade é a experiência suprema da solidão, a morte e ressurreição, a saída do Senhor Jesus do plano visível não é abandono, muito pelo contrário, em nós e através de nós o Espírito Santo atua na Igreja para que o mundo todo experimente também que Deus cuida de cada um de nós, e possamos então dar a razão de nossa esperança, não como uma esperança fortuita e vã, mas testemunhada no Espírito, para que a terra inteira reconheça que o Senhor é Deus.

3º Esquema
“Quem acolheu os meus mandamentos e os observa, esse me ama”, a obra de Deus em nós santifica nos nossos corações para cumprirmos obras de Justiça, não por nós mesmos mas pela ação do Espírito Santo em nós. O desejo de Deus é que cada ser humano experimente sua presença e sua atuação, como os Samaritanos, rejeitados pelos judeus, mas agora assumidos por Deus no Espírito Santo. Por isso, que cada ser humano, glorifique a Deus pelo cântico de salmos e pela vida. 

5º Domingo do Tempo Pascal A

5º Domingo do Tempo Pascal A

1.                  Informações básicas
- Jesus, caminho, verdade e vida
- Oração – Adotados como filhos tendo a liberdade verdadeira.
- At 6, 1-6; Sl 32; 1 Pd 2, 4-9; Jo 14, 1-12

2. Esquemas

1º Esquema
“Eu sou o caminho” Jesus, como o bom Pastor é o caminho de acesso ao Pai, se há muitos caminhos que a vida propõe, Jesus não é um dos caminhos, é o caminho exclusivo de acesso ao Pai, por isso cada um de nós impulsionados pelo Espírito Santo deve viver Cristo (Gl 2, 20), de tal modo que entreguemos nossa vida ao Pai, no Espírito, através do Caminho que é Cristo.

2º Esquema
“Jesus é a verdade”. A verdade como no Antigo Testamento, não é apenas o descortinar de uma realidade, mas é a base da vida, é o seu sustento, Ele é a pedra angular, a pedra que nos sustenta, por isso Jesus pode dar o consolo a cada um de nós para que não se perturbe o nosso coração, pois Ele é esse sustento pela sua cruz e ressurreição, para que assim, como os diáconos, cheios do Espírito possamos servir o nosso próximo com a graça que vem Dele.

3º Esquema
“Jesus é a vida”. Jesus anuncia que há muitas moradas na casa do Pai, é Ele que nos dá essa vida eterna, vida em plenitude (Jo 10, 10), vida que já começa aqui, através do sacerdócio santo que exercemos pelo nosso Batismo, já vivemos como cidadãos do céu no serviço ao próximo repletos do Espírito Santo, esse é o nosso sacrifício espiritual. Que Deus nos conceda sua graça na mesma medida que esperamos n’Ele e a Ele servimos em cada irmão e irmã.  

4º Domingo do Tempo Pascal A

4º Domingo do Tempo Pascal A

1.                  Informações básicas
- Domingo do Bom Pastor
- Oração – O rebanho possa atingir a fortaleza do pastor.
- At 2, 14.36-41; Sl 22; 1 Pd 2, 20-25; Jo 10, 1-10

2. Esquemas

1º Esquema
“Eu sou a porta das ovelhas”, o rebanho é fraco, limitado e dependente do pastor, precisa viver na segurança do redil, o acesso a essa segurança é a porta das ovelhas. Jesus é o mediador, a porta de acesso ao Pai, por isso somos convidados a aceitar no batismo essa mediação, para que fazendo parte do rebanho e ouvindo a voz do pastor, tenhamos vida em plenitude.

2º Esquema
“O Senhor é o pastor que me conduz”. A obediência em primeiro lugar é ouvir a voz do pastor, ouvir para sermos congregados pelo Bom Pastor. Pelo mundo andávamos como ovelhas desgarradas, a morte e ressurreição do Senhor, nos congregou na Igreja, o redil do Bom Pastor, nesse redil temos a água repousante, o batismo que nos dá vida e vida em plenitude.

3º Esquema
“quem não entra pela porta...” O grande Pastor das Ovelhas é que nos reúne para termos vida, porém no mundo ouvimos muitas vozes daqueles que nos querem arrebanhar, o encantamento dessas vozes nos dispersa como rebanho e como o ladrão, que não entra pela porta, quer roubar, matar e destruir, tirar a fonte de nossa vida, a abundancia de vida que poderíamos ter no Senhor. Que cada ser humano encontre em Cristo a porta para o Reino e tenha “Felicidade e todo o bem”. 

3º Domingo do Tempo Pascal A

3º Domingo do Tempo Pascal A

1.                  Informações básicas
- o Ressuscitado estará sempre conosco: Eucaristia
- Oração – renovação espiritual e condição de filhos.
- At 2, 14.22-33; Sl 15; 1 Pd 1, 17-21; Lc 24, 13-35

2. Esquemas

1º Esquema
“Será que o Cristo não devia sofrer tudo isso para entrar em sua glória?” Como São Pedro, queremos contemplar nas Sagradas Escrituras, em Moisés e nos profetas, os sinais de Cristo Crucificado e ressuscitado, nossa leitura também de nossa vida deve ver os sinais do ressuscitados em meio ao sofrimento da cruz que carregamos, Ele continua atuando e nós devemos ler que em meio ás mazelas da vida Jesus está atuando. Esse sofrimento nosso unido ao do Ressuscitado, tira nossa vida da inutilidade e aí sim, experimentaremos, que não fomos entregues a morte.

2º Esquema
“Não estava ardendo nosso coração...”, quanto mais nos encontramos com o Crucificado e Ressuscitado na Palavra de Deus e na fração do pão, quanto mais nos identificamos com Ele, mais a nossa vida terá sentido, e teremos força e coragem para anunciar que Ele ressuscitou, como Pedro no dia de Pentecostes, proclamaremos que Jesus é Senhor e Cristo, Por Ele alcançamos a verdadeira fé, e não só teremos a certeza de que Ele ressuscitou, mas nos experimentaremos que nós já a esperança plena da nossa ressurreição, a certeza de que “não haveis de me deixar entregue à morte”

3º Esquema
“Realmente o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão”. A profissão de fé da Igreja Primeira deve ser também a nossa, por isso, deixemo-nos guiar pelo Cristo morto e ressuscitado, para perscrutar as Escrituras, para que o nosso coração arda, participemos da mesa na qual Ele está presente na fração do pão, e isso nos fortalecerá em nossa vida para que baseados no testemunho apostólico, nós também testemunhemos que Deus ressuscitou Jesus, e assim, a nossa fé e esperança estejam em Deus e não em coisas fúteis, e já aqui, como cidadãos do céus, possamos saber “junto de vós felicidade sem limites”. 

2º Domingo do Tempo Pascal A

2º Domingo do Tempo Pascal A

1.                  Informações básicas
- Somos a Igreja Apostólica
- Oração – Deus de Eterna Misericórdia.
- 1ª Leitura At 2, 42-47; Sl 117; 1Pd 1, 3-9; Jo 20, 19-31


2. Esquemas

1º Esquema
“A Paz esteja convosco”, o Dom do ressuscitado é a paz, a paz para aqueles que tinham medo da morte, a paz para aqueles que vivem sem esperança, por isso ao fazer parte da Igreja, do Corpo do Ressuscitado, essa paz vem ao nosso coração pelo sopro do Espírito, a partir do Espírito somos fieis a Doutrina Apostólica, a rezamos na Liturgia e a vivemos na caridade, aí somos Corpo de Cristo, que reza e proclama “Eterna é a misericórdia do Altíssimo”.

2º Esquema
Bem aventurados os que crerem sem terem visto, os que acreditam na palavra da Igreja, representada pelos Apóstolos que testemunharam a ressurreição. São Tomé foi instrumento da Providência para que nós assumamos hoje a bem-aventurança de crer nas testemunhas do ressuscitado e também ser testemunhas através da Palavra de Deus, das orações e da partilha comum, vivendo um esperança viva em Jesus Cristo morto e ressuscitado. Por isso,
“Este é o dia que o Senhor fez para nós alegremo-nos e nele exultemos”.

3º Esquema
“Meu Senhor e meu Deus”, a mais curta profissão de fé queremos fazê-la em Deus Pai que pela morte e ressurreição de seu Filho nos fez nascer de novo, para uma esperança eterna, essa graça derramada em nossos corações a vivemos na firmeza da Doutrina Apostólica, na oração e na partilha dos bens, a crença no Senhor é uma entrega que começa aqui e que culmina na eternidade, onde para sempre cantaremos o Dia Eterno, na alegria e na exultação. 

Domingo de Páscoa

Domingo de Páscoa

1.                  Informações básicas
- A Páscoa da Ressurreição
- Oração –  Filho vencedor da morte nos dá a vida eterna
- Leituras: At 10, 34ª.37-43; Sl 117; Cl 3, 1-4 ou 1 Cor 5,6b-8; Jo 20,1-9.

Observação – é interessante utilizar a sequência na homilia.

BREVE HOMILIA

2. Esquemas

1º Esquema
Cristo Ressuscitou! Aleluia! Ele devia ressuscitar dos mortos, não encontramos mais Jesus dentre os mortos, e nós também somos aqueles que morrerão, a carne humana agora é eterna na Trindade, no terceiro dia ressuscita para abrir as portas para que nós nos tornemos cidadãos do céu. Este é o dia que o Senhor fez para nós.

2º Esquema
Aleluia! Cristo Ressuscitou! A vida vence a morte, não por um momento mas para sempre, agora a Aliança é eterna e a vida eterna nos é dada, com São Pedro queremos proclamar que ele está vivo, com Maria Madalena queremos ver o Senhor Ressuscitador e testemunhar, com São Paulo queremos buscar as coisas do alto. Este é o dia, O Dia, a alegria eterna penetre em nosso coração.


3º Esquema

Aleluia! O Cristo Ressuscitado, ressurreição não é somente um reavivamento temporário, queremos correr ao túmulo e proclamá-lo que ele está vazio, ver e acreditar, o Senhor está na vida plena, as Escrituras se cumpriram, Ele venceu a morte para sempre e quanto a nós queremos nos associar à sua morte para um ressuscitar para a Glória, queremos as coisas do alto onde Cristo está. Que esse dia feito para nós seja eterno.  

Vigília Pascal

Vigília Pascal

1.                  Informações básicas
- A Páscoa da Ressurreição
- Oração –  Ó Deus que iluminais essa noite santa
- Leituras: Gn , 1,1-2, 2; Sl 103; gn 22,1-18; Sl 15, Ex 14,15-15, 1; Ex 15; Is 54,5-14; sl 29; Is 55, 1-11; Sl 12; Br 3,9-15.31-4,4; Sl 18; Ez 36,16-17ª.18-28;Sl 41ou 50; Rm 6, 3-11; Sl 117; Mt 28, 1-10; Mc 16, 1-7; Lc 24, 1-12.

Observar os elementos da Vigília – Fogo, Palavra, Água, Pão e Vinho. O Aleluia deve ser a motivação inicial para proclamar a ressurreição no início da homilia.


BREVE HOMILIA

2. Esquemas

1º Esquema
Cristo Ressuscitou! Aleluia! Contemplemos o desejo de salvação de Nosso Deus, passando pela Criação, poupou Isaac, conduziu os israelitas à liberdade, salvou o povo no Exílio, conduziu-o a ter um coração novo pelo derramamento da água do Batismo e assim entramos no Mistério de sua Páscoa.

2º Esquema
Aleluia! Cristo Ressuscitou! A vida criada, preservada, salva, libertada é  conduzida à morte e à Ressurreição no Batismo assim unidos ao Senhor seremos de Deus para Sempre.

3º Esquema
Aleluia! O Cristo Ressuscitado ilumina nossa vida criada, nos liberta de toda escravidão das trevas e dá um sentido novo, nos conduz a uma terra de luz para por fim vivermos como cidadãos do céu. Que o Batismo renove em nós a luz de Deus.

Assim outros temas podem ser tratados:

- A libertação do poder do mal e a condução a todo bem e viver a ressurreição aqui e agora;
- Aprender a ver sinais de ressurreição em meio ao Reino da morte.
- Cantar a vida que brota da morte, grão de trigo que morre para dar a vida a outros.

- O cume do sacerdócio é a ressurreição é a vida eterna. 

Sexta-feira da Semana Santa – Celebração da Paixão do Senhor

Sexta-feira da Semana Santa – Celebração da Paixão do Senhor

1.                  Informações básicas
- A Páscoa da Cruz.
- Oração –  Derramamento do Sangue institui a Páscoa
- Leituras: Is 52, 13-53,12; Sl 30, Hb 4,14-16;5,7-9; Jo 18,1-19,42


BREVE HOMILIA

2. Esquemas

1º Esquema
Tomar os personagens da Paixão e morte do Senhor e contrastar com a nossa posição perante o servo sofredor, o sacerdote eterno. Se sou Pilatos, ou Pedro, ou Maria aos pés da Cruz, ou aqueles que ainda injuriam o Senhor na Cruz.

2º Esquema
Sacerdotal – Entender o sacerdócio de Cristo a partir do seu sofrimento e sua entrega pela nossa salvação, conscientemente se entrega como vítima, a exemplo o Servo do Senhor e nessa entrega nos agrega, somos filho no Filho, sacerdote eterno continua a sua entrega pela humanidade toda.

3º Esquema
Sacrifício – Proclamar que o sacrifício de Cristo, o Servo Sacerdotal do Senhor, sua entrega salvadora, foi feita com o sofrimento descrito e que queremos receber os frutos desse sacrifício em nossas vidas, aplica-lo para a salvação do mundo e querer que ele nos santifique.
Outros esquemas baseados nas leituras em breve homilia.
- O Reino de Deus tem seu cume na Cruz e a entrada nele se faz pelos sacramentos da cruz: Batismo e Eucaristia.
- A nossa morte unida ao do Senhor, reconhecer que o sofrimento de Cristo cura nossas feridas da morte e do pecado.

- Estar aos pés da cruz com Nossa Senhora é ser discipulo amado, é permitir-se ser salvo, dar o sim para a salvação. 

Quinta-feira da Semana Santa – Missa da Ceia do Senhor

Quinta-feira da Semana Santa – Missa da Ceia do Senhor

1.                  Informações básicas
-Entrega do Senhor na Ceia Pascal.
- Oração –  O Pai nos reúne na Santa Ceia
- Leituras: Ex 12,1-8.11-14; Sl 115; 1 Cor 11, 23-26, Jo 13, 1-15

Três temas fundamentais – Mandamento novo, Instituição da Eucaristia e Instituição do Sacerdócio ministerial. Porém em ambiente da paixão do Senhor.

BREVE HOMILIA

2. Esquemas

1º Esquema
Amou-os até o fim. Deus quer que o homem se salve, porém essa salvação vem até nós pela celebração do evento da Páscoa, da Eucaristia na segunda leitura e por fim esse amor de Deus que nos salva nos quer aberto a essa salvação e quer que levemos essa salvação aos outros. Salvação que é celebrada ao levantarmos o cálice do Senhor.


2º Esquema
Fazei o que eu fiz... naquela ceia o Senhor se doa na Eucaristia, o lavar os pés do Senhor continua, e fazemos memória dessa libertação na Santa Ceia, a Santa Missa, o sacerdócio ministério é esse associar-se ao Cristo que lava os pés, estar a serviço para que o Povo de Deus possa ser assumido na Entrega o Senhor. Aquele que continua a elevar o cálice continua a obra salvadora do Senhor.

3º Esquema

Todas as vezes que comerdes.... É hoje que o Senhor se entrega nas espécies de pão e de vinho, é hoje a ceia pascal da Aliança Eterna, por isso somos chamados a fazer memória dessa entrega e comer o pão consagrado e nos associar à sua Paixão para chegarmos à sua ressureição. Para que assim possamos, com o auxílio da sua graça lavar os pés uns dos outros sermos verdadeiros servidores.

Tríduo Pascal

Tríduo Pascal

Tema geral a ser tratado no Tríduo Pascal

1. Entrega
Quinta-feira Santa - O Lava pés é nossa entrega no serviço, cujo cume é a Eucaristia, o corpo e sangue oferecidos por Jesus, prefigurado no Cordeiro Pascal, por isso erguemos o cálice fazendo memória dessa entrega.
Sexta-feira Santa -  “Ó Pai em tuas mãos entrego meu espírito” Adoramos o servo do Senhor, aquele que padeceu e morreu, como ovelha no matadouro, para a salvação do mundo, entrega do Grande Sacerdote que se oferece a si mesmo por nós.
Sábado Santo - A Entrega de deus pela humanidade começa com a Criação, chamando o ser humano a vida, passando pela entrega da fé de Abraão, e Deus que intervém para libertação do povo do Egito, sendo o resultado dessa entrega, a ressurreição, pois se mortos com Cristo no batismo, ressuscitaremos com Ele.
Domingo de Páscoa - O Testemunho da ressurreição perpassa  a História, junto com Maria Madalena e com Pedro, testemunharemos Jesus Cristo, morto e ressuscitado até o Dia em que nossa vida se revestir de glória e proclamarmos: “Este é o dia que o Senhor fez para nós, alegremo-nos e nele exultemos”.

2. Sacerdócio
Quinta-feira Santa - o Sacerdócio de Cristo é participado pelo Batismo e pela Eucaristia, queremos celebrar a Páscoa para que possamos pela graça recebida lavar os pés uns dos outros. O Sacerdócio ministerial deve ser vivido também a partir da celebração eucarística.
Sexta-feira Santa - Água e sangue jorram da cruz, até hoje queremos viver do Sangue e da Água que brotam da entrega do Servo, nessa água e sangue nos entregamos ao pai num verdadeiro sacerdócio.
Sábado Santo - Sacerdote, uma etimologia, é dar o sagrado, primeiramente nos é dado o sagrado na Criação, Abraão é exemplo da procura de exercer o sacrifício no seu filho Isaac, a saída do Egito é para celebrar no Sinai, até a Ressurreição, quando Deus será tudo em todos, já vivendo esse sacerdócio no batismo.
Domingo de Páscoa - O Testemunho da ressurreição perpassa  a História, junto com Maria Madalena e com Pedro, testemunharemos Jesus Cristo, morto e ressuscitado até o Dia em que nossa vida se revestir de glória e proclamarmos: “Este é o dia que o Senhor fez para nós, alegremo-nos e nele exultemos”.

3 Paz
Quinta-feira santa - a paz é estar plenamente unido a Deus, Verdade plena, plenitude de paz que se realiza no lava pés, no amor, pela força da Eucaristia.
Sexta-feira santa - o sofrimento do servo, ele carregou nossas feridas, Jesus é a realização, todo o sofrimento é para que a humanidade se reconciliasse com Deus, aí sim, podemos nos aproximar com toda a confiança do Trono de Deus.
Sábado Santo - a humanidade foi chamada a vida para estar em paz com Deus, com o pecado acontece uma ruptura, o sacrifício de Abraão, o sacrifício da Páscoa, até a morte e Ressurreição, é a história de Deus que quer o homem junto de si, em plena comunhão. Que a vivência do Batismo nos faça experimentar a Paz do Ressuscitado: A paz esteja convosco.
Domingo de Páscoa - O Testemunho da ressurreição perpassa  a História, junto com Maria Madalena e com Pedro, testemunharemos Jesus Cristo, morto e ressuscitado até o Dia em que nossa vida se revestir de glória e proclamarmos: “Este é o dia que o Senhor fez para nós, alegremo-nos e nele exultemos”.

quinta-feira, 2 de março de 2017

5º Domingo da Quaresma A

5º Domingo da Quaresma A

1.                  Informações básicas
- Cristo é a ressurreiç
- Oração –  entregar-se a Deus na mesma entrega de Cristo
- Leituras: Ez 37, 12-14; Sl 129 (130); Rm 8, 8-11; Jo 11, 1-45


2. Esquemas

1º Esquema
Eu sou a ressurreição, Jesus é a ressurreição, ele não somente ressuscita mas dá a ressurreição a todos os que nele crerem, Lázaro morreu, Deus conhece a nossa realidade mortal, no Cristo morto e ressuscitado, pessoal, e como em Ezequiel como povo. Mas, Deus nos dá a vida em Jesus, por isso cada um de nós pelo Espírito deve viver para que a vida de Cristo brilhe em nós, pois no Senhor, toda a graça e redenção.

2º Esquema
Sim, Senhor eu creio que tu és o Messias. A resposta diante da ressurreição, não é somente vamos ressuscitar, o caminho é mostrado por Marta, diante da morte é colocar a vida sobre o Cristo morto e ressuscitado, é isso que nos possibilita passar da morte para a vida, crer que pelo Espírito teremos vida, crer que essa ressurreição não começa após a morte, mas hoje, a partir do instante que estamos cheios de graça e de justiça, aí sim, a Espera no Senhor tem todo o sentido.


3º Esquema
E Jesus chorou, Deus se comove diante do sofrimento humano, o ser humano não é abandonado por Deus, ou visto por Ele de forma insensível, a comoção de Deus o faz voltar-se ao humano e dar-lhe vida plena, para que isso aconteça é preciso ter fé, fé que nos faz acreditar, que Cristo é a ressurreição e a vida, fé que nos viver no Espírito que nos faz viver eternamente. Isso é copiosa redenção.  

4º Domingo da Quaresma A

4º Domingo da Quaresma A

1.                  Informações básicas
- Cristo luz do mundo
- Oração –  Cristo realiza a reconciliação, que o povo vá à Páscoa exultando de fé.
- Leituras: 1 Sm 16, 1b.6-7.10-13a; Salmo 23 (22); Ef 5, 8-14; Jo 9, 1-41


2. Esquemas

1º Esquema
Jesus recria o olhar daquele que é cego de nascença, a lama em seus olhos, o homem é barro, é restaurada na piscina do Enviado, e aquele que agora vê pode testemunhar que num homem ele viu a salvação, o ungido, como na primeira leitura, não deve ser julgado pela aparência, pois o Senhor não faz acepção de pessoas, mas pela escolha de Deus. No homem Jesus devemos ver a salvação que vem até nós e pela graça que dele recebemos nossa humanidade passa a ver e somos então filhos da luz guiados pelo bom pastora das ovelhas.


2º Esquema
“É um profeta” (Jo 9, 17). O batismo lava a nossa humanidade e assim podemos ver em Jesus o salvador do mundo, o Ungido por Deus para a salvação da humanidade, e dar testemunho dele perante os homens, mesmo que isso nos leve a humilhação, porque aqueles que se prendem ao externo, fazendo acepção de pessoas não conseguem ver, nós devemos sempre buscar ver com o olhar de Deus. Aí sim, podemos “discernir o que agrada ao Senhor” e como ovelhas do bom pastor seguir sua voz.


3º Esquema
“Eu creio, Senhor” (Jo 9, 38). A nossa vocação batismal nos leva a ver no homem Jesus o Senhor, e podemos assim testemunhar perante todos, mesmo em meio a cegueira humana que Jesus Cristo é o Senhor, o reconhecimento de que somos cegos e que somente o Enviado pode nos fazer enxergar é primordial para não nos prendermos às aparências, vivermos na luz e cada vez mais reconhecer o pastor que nos guia em meio ao vale da morte.

3º Domingo da Quaresma A

3º Domingo da Quaresma A

1.                  Informações básicas
- A água viva
- Oração –  Na consciência da nossa fragilidade confortados pela misericórdia de Deus.
- Leituras: Ex 17, 3-7; Sl 94 (95) Rm 5,1-2.5-8, Jo 4, 5-42


2. Esquemas

1º Esquema
No nosso deserto quaresmal ansiamos pela água viva, mas como a Samaritana, muitas vezes não compreendemos o Dom de Deus, e o Senhor Jesus em sua pedagogia vai nos levando a compreender o Dom de Deus, a Água Viva que nos é dada para satisfazer toda a nossa sede de Deus, por isso de nós é pedido que não fechemos os corações como em Meriba, que estejamos de coração aberto para receber a água viva, o Espírito Santo derramado em nós pelo Batismo, e que nesta quaresma possamos reencontrar nossa vocação batismal e permitir que a água viva invada nossa vida.

2º Esquema
Os verdadeiros adoradores são aqueles que adoram em espírito e em verdade, para que isso aconteça é necessário abrir-nos à graça de Deus, ao Espírito derramado em nossos corações no Batismo, essa abertura não é uma única vez, e a quaresma é um convite para estarmos diante do Rochedo Espiritual, que é Cristo, e beber da água da vida, na total disponibilidade, e não fechar o coração a este dom. É por isso, que a esmola, o jejum e a oração neste deserto quaresmal nos ajudam na graça de Deus a abrir o coração ao nosso relacionamento com o próximo, conosco e com Deus.

3º Esquema
A paciente pedagogia divina não somente satisfaz às suas aspirações humanas, mas também as suscita. Jesus quer fazer aquela mulher crescer, a partir de sua disposição pessoal, quer levá-la a se modelar ao projeto de Deus, tornando-a uma testemunha do Reino (cf. Jo 4, 39). A mesma pedagogia Deus usa conosco, de tal modo que mesmo na nossa rebeldia no Deserto, pacientemente Deus vai nos conduzindo a uma compreensão mais profunda de nosso Batismo, para que justificados pela fé a paz com Deus possa cada ano crescer mais em nossa vida ouvindo a palavra do Senhor.

4º esquema
Não fecheis os vossos corações como em Meriba. Nossa vida é repleta de necessidades e se nos atermos e nos fixarmos nelas vamos perder nossa vocação batismal. Por isso, no seguimento de Jesus Crucificado necessitamos da graça que recebemos pelo Espírito que foi derramado em nós, Espírito que continua a ser derramado a cada dia, principalmente nesses dias de salvação que é a Quaresma. Que como a Samaritana, mesmo que presa ainda às necessidades físicas, possamos intuir a água vida e proclamar que Jesus é o profeta e também nós, associados a Ele, profetizar, para que todos possam dizer: “Já não cremos por causa das tuas palavras, pois nós mesmos ouvimos e sabemos que este é verdadeiramente o salvador do mundo” (Jo 4, 42).

2º Domingo da Quaresma A

2º Domingo da Quaresma A

1.                  Informações básicas
- A Palavra se manifesta no Deserto Quaresmal
- Oração –  A Palavra purifica o olhar da nossa fé para ver a Glória
- Leituras: Gn 12, 1-4; Sl 32 (33); 2 Tm 1, 8-10; Ev Mt 17, 1-9


2. Esquemas

1º Esquema
Jesus foi transfigurado (metemorfóthe) diante deles. Na subida a Jerusalém, diante das três colunas da Igreja, Jesus mostra sua divindade, sua forma humana fica translúcida para demonstrar sua divindade, nós hoje queremos na Quaresma que o olhar da nossa fé seja purificado pela Palavra de Deus ouvida para podermos ter a consolação de sua glória, para que a exemplo de Abrão sermos verdadeiramente obedientes e ir, e assim vivermos a vocação santa que nos é dada por Deus pela graça que o Senhor nos dá.

2º Esquema
Moisés e Elias conversam com Jesus que se manifesta, a Sagrada Escritura aponta para Jesus Cristo morto e ressuscitado na caminhada do nosso deserto quaresmal, somos convidados pois a ouvir a voz de Deus, somos vocacionados por Deus como Abrão a sair e caminhar segundo o chamado, de tal modo que a manifestação do Senhor em nossa vida nos leve verdadeiramente a viver a nossa vocação, por isso, rezamos com o Salmo, que a graça aumente em nós de acordo com a abertura que temos ao Senhor, e que essa abertura a Deus aumente nessa quaresma. 


3º Esquema
“Este é o meu Filho Amado, no qual eu pus todo meu agrado. Escutai-o” O Pai nos manda ouvir seu Filho amado, por isso somos convidados neste exílio quaresmal a obter a maior consolação possível que ter o Filho Amado do Pai a nos falar, ter sua companhia, de tal modo que exclamemos com São Pedro, Senhor é bom estarmos aqui, entretanto essa consolação não pode ser um entorpecente, mas um impulso vocacional como foi para Abrão, sai da tua terra, para ir onde a vocação chama, a manifestação de Jesus cristo, aquele que derrotou a morte, possa fazer já, hoje em nosso exílio quaresmal, fazer brilha a vida, e assim, podermos esperar confiantes no Senhor, que nos dá a salvação.

4º esquema
“Até que o Filho do homem tenha ressuscitado dos mortos...” o Cristo morto e ressuscitado é a chave das Escrituras, é Ele que mantém o diálogo com Moisés, é o Cristo que manifesta a voz do Pai e escutando-O que podemos verdadeiramente ser amados pelo Pai. O seguimento de Jesus não é algo forçoso, mas é o sentido de nossa vida como o foi para Abrão, sentido que o impulsionou a ouvir e partir, Cristo morto e ressuscitado nos revela o desígnio amoroso de Deus, sua graça que nos torna santos, graça que aumenta em nossa quaresma de acordo com o desejo de nos entregarmos em suas mãos e assim rezarmos com o salmista: Sobre nós venha, Senhor, a vossa graça, da mesma forma que em vós nós esperamos. 

1º Domingo da Quaresma A

1º Domingo da Quaresma A

1.                  Informações básicas
- o Espírito nos leva ao Deserto Quaresmal
- Oração –  Conhecer Jesus Cristo e responder ao seu amor por uma vida santa
- Leituras: Dt 11, 18.26-28.32; Sl 30, Rm 3, 21-25.28; Mt 7, 21-27


2. Esquemas

1º Esquema
o Espírito nos conduz ao deserto, como conduziu a Jesus, para sermos tentados, provados experimentar a limitação do mundo criado como o Povo de Deus no Deserto, a força do Espírito nos dará a graça de recusar o convite da serpente, de que o conhecimento basta para sermos felizes, recusar sempre de termos a Deus como um mentiroso. Que a graça que superabunda sobre todo pecado possa fortalecer o nosso coração e redescobrindo a graça do batismo nesse deserto quaresmal da nossa vida, possa não somente saber e conhecer, mas experimentar a piedade do Senhor.

2º Esquema
“Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus”. O nosso alimento é a Palavra de Deus, diante da aparência apetitosa dos frutos do conhecimento e do prazer, o ser humano deve buscar aquele alimento que permanece, a essência da vida que é o próprio Deus. Que nessa quaresma nosso coração possa ter a Jesus Cristo como alimento, conhecê-lo plenamente, esse conhecimento existencial é que nos plenifica como seres humano, os filhos de Eva, e receber o dom abundante da graça de Deus, e sentir na Páscoa eterna a alegria da Salvação.  


3º Esquema
“Não tentarás o Senhor teu Deus!”. No deserto quaresmal a nossa fé deve experimentar a todo momento que Deus cuida de cada um de nós, e não precisamos ficar testando o poder de Deus a todo instante. Essa tentação de ter a Deus em nossas mãos, nos faz desconfiar dele e ter a conseqüência desse pecado em nossa vida. Por isso, somos convidados a arrependermo-nos de nossos pecados, com um coração contrito, clamar pela sua misericórdia, para que possamos em Cristo, o novo Adão, ressuscitar de nossos pecados pelo poder amoroso de Deus.


4º esquema
“Adorarás ao Senhor teu Deus e somente a ele prestarás culto”. O ser humano anseia pelo reconhecimento dos outros, anseia ser adorado como Deus, para isso sonha sempre em ter os olhos abertos e ter o conhecimento de toda e qualquer realidade. Mas, o único conhecimento que nos é dado por Deus, no deserto, onde experimentamos nossa fragilidade humana, é  reconhecer que só Deus basta, somente a Ele prestaremos culto, somente Ele é o centro de nossa vida. Em Jesus  Cristo, no qual superabunda a graça, nosso pecado de sermos como Deus cessa. Que a penitência quaresmal, na qual reconhecemos nossa iniqüidade e que nosso pecado está sempre a nossa frente,  nos ensine a buscar o Único Necessário que é Deus através do conhecimento de Jesus Cristo. 

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Quarta-feira de Cinzas

Quarta-feira de Cinzas

1.                  Informações básicas
- Jejum, Oração e Esmola autênticos
- Oração –  penitência que nos fortalece contra o mal.
- Leituras: Jl 2, 12-18; Sl 50; 2 Cor 5, 20-6,2; Mt 6, 1-6.16-18


2. Esquemas

1º Esquema
A esmola é o símbolo do meu relacionamento caritativo com o próximo, por isso esse relacionamento tem como objetivo único fazer o bem por amor a Deus, que é o conceito de caridade cristã, realizar esse tipo de ação com qualquer outro tipo de intenção é querer ser pago, é querer recompensa que não é Deus. Por isso, o rasgar o coração e que nessa quaresma reconheçamos que às vezes nossas intenções desviam-se de Deus no nosso amar. Por isso, que Deus crie em nós um coração puro, um coração com intenções corretas nesta quaresma.


2º Esquema
Não rezar para ser visto pelos homens, nosso relacionamento com Deus é no fundo do coração, é no nosso quarto interior, esse relacionamento intimo não deve ser causa de aparecer, de receber o aplauso dos seres humano. A nossa volta para o Senhor, nossa teshuvá, deve ser feita a partir de dentro. Devemos então, ouvir São Paulo que nos diz, deixai-vos reconciliar com Deus, nos reaproximar Dele, fica a critério de nossa liberdade. Nessa quaresma, nossa oração deve sempre nos auxiliar nessa volta e reaproximar de Deus, de tal forma que tenhamos a certeza a alegria de sermos salvos.


3º Esquema
O jejum nos faz experimentar que somos criaturas, somos seres humanos limitados, e nessa limitação, somos chamados a vermos que somos sombra que passa e que a única recompensa é Deus, por isso qualquer esforço não deve ser objeto de reconhecimento humano, mas de encontro com Deus, descobrir em nós a essência do que somos. O jejum verdadeiro é voltar-se para Deus, para que Ele se volte para nós, aí sim a quaresma se torna um tempo favorável, um tempo de reencontro com Deus e com os irmãos e aí preparar o louvor eterno da Páscoa.

4º esquema


Convertei-vos e crede no Evangelho, o experimentar-se como criatura que vai morrer nos deve fazer voltar para Deus, nos deve ter a Deus como o objeto de nosso jejum, oração e esmola, exclamemos: “Piedade, ó Senhor, tende piedade porque pecamos contra vós” e de tal modo que Ele acolha nosso arrependimento e nos perdoe e ao final dessa quaresma experimentemos a reconciliação com Deus para sempre na Páscoa eterna. 

8º Domingo do Tempo comum A

8º Domingo do Tempo comum A

1.                  Informações básicas
- Providência de Deus
- Oração – a paz na vida para servir na alegria.
- Leituras: Is 49, 14-15; Sl 62; 1 Cor 4, 1-5; Ev 6, 24-34.


2. Esquemas

1º Esquema
Ninguém pode servir a dois senhores, o nosso coração tem que estar uno em Deus, por isso toda preocupação (merimnate – mente dividida) deve desaparecer de nosso coração, para isso a confiança na Providência de Deus, Deus cuida de seus filhos e filhas, a certeza de que como uma mãe, jamais Deus vai deixar seus filhos abandonados, e é essa certeza que nos faz ter uma paz para servir, para sermos verdadeiros servidores de Cristo, até que, após um aprendizado de confiança em Deus nesta vida, repousaremos em Deus para sempre.


2º Esquema
Olhai os lírios do campo... A natureza como mestra, nos ensina que Deus mantém sua criação, a nós compete, primeiramente, já nos preparando para a Campanha da Fraternidade deste ano de 2011, entender a voz de Deus que emana na Criação, ver que ele cuida da sua obra, e se cuida assim dos lírios, cuidará de cada um de nós, essa fé, não é uma fé cega, mas uma confiança de um filho que sabe que sua mãe vai ao encontro de suas necessidades, confiança que desembocará no julgamento do Senhor, que dará a cada um o que é merecido, essa certeza de fé nos faz rezar: “Só em Deus a minha alma tem repouso, só ele é meu rochedo e salvação”. Só Ele.

3º Esquema
Olhai as aves do céu... Contemplas as aves que livres voam e vivem sob a misericordiosa Providencia de Deus, nos leva a querer sempre ser livres em Deus, para isso a confiança em sua providência nos deve levar a saber, que quanto mais buscamos o Reino de Deus e sua Justiça, a Providência D’Ele nunca falhará. Providência que fez Abraão confiar que Deus providenciaria um animal para o Sacrifício, Providência que nos faz confiar que Deus jamais nos abandonará. Confiança necessária para aqueles que são administradores dos mistérios de Deus, esse administrador deve ser fiel, deve ter a fidelidade a Deus e em sua Providência, assim, conduzimos uns aos outros ao Deus, que é nossa Rocha e nossa proteção.

4º esquema


Buscai o Reino de Deus e sua justiça e tudo (panta) vos será dado em acréscimo. A confiança em Deus  e em sua Providência que mantém a vida do mundo e a nossa, não é uma confiança cega e inconseqüente, de nós é exigido buscar o Reino e sua justiça, mesmo que não vemos essa justiça ainda atuar em meios aos pecados humanos, o ser humano é chamado a construir essa justiça, e a certeza da fé, é que Deus que nunca abandona seu povo, providênciará tudo o que é necessário para que a Obra do Reino se expanda, nesse processo a nós compete ser servidores fieis, servidores que confiam na justiça de Deus que no Dia da Manifestação triunfará sobre toda a injustiça, e naquele dia Deus que sempre foi nossa Rocha, será nossa Glória e Salvação para sempre.