sábado, 14 de fevereiro de 2015

2º Domingo da Quaresma B

2º Domingo da Quaresma B

1.                  Informações básicas
- A Palavra se manifesta no Deserto Quaresmal
- Oração –  A Palavra purifica o olhar da nossa fé para ver a Glória
- Leituras: Gn 22,1-2.9-13.15-18; Sl 115; Rm 8, 31-34; Mc 9,2-10.


2. Esquemas

1º Esquema
Jesus foi transfigurado (metemorfóthe) diante deles. Na subida a Jerusalém, diante das três colunas da Igreja, Jesus mostra sua divindade, sua forma humana fica translúcida para demonstrar sua divindade, nós hoje queremos na Quaresma que o olhar da nossa fé seja purificado pela Palavra de Deus ouvida para podermos ter a consolação de sua glória, para que a exemplo de Abrão sermos verdadeiramente obedientes, aprender a ouvir a voz de Deus pelo anjo e oferecer o que agrada a Deus, oferecendo um verdadeiro sacrifício de Louvor unido ao Filho de Deus que por nós se entregou.

2º Esquema
Moisés e Elias conversam com Jesus que se manifesta, a Sagrada Escritura aponta para Jesus Cristo morto e ressuscitado na caminhada do nosso deserto quaresmal, aquele que nós morreu e ressuscitou, somos convidados pois a ouvir a voz de Deus, somos vocacionados por Deus como Abrão a oferecer um sacrifício de louvor, mas mesmo não entendendo e querendo oferecer o seu próprio filho em sacrifício, Deus não abandona Abrão e intervém pela voz do anjo e o cobre de bênçãos, assim nós em meio aos sofrimentos da vida Deus não nos abandona e aponta o verdadeiro caminho, somos pois convidado em meio ao deserto da vida guardar a nossa fé. 


3º Esquema
“Este é o meu Filho Amado. Escutai o que ele diz.” O Pai nos manda ouvir seu Filho amado, por isso somos convidados neste exílio quaresmal a obter a maior consolação possível que ter o Filho Amado do Pai a nos falar, ter sua companhia, de tal modo que exclamemos com São Pedro, Mestre  é bom estarmos aqui, entretanto essa consolação não pode ser um entorpecente, mas um alento a nos entregarmos à vontade de Deus em meio ao deserto da vida, a exemplo de Abrão que não recusou seu próprio Filho, por isso abençoado, nós também unidos ao Cristo morto e ressuscitado podemos oferecer um verdadeiro sacrifício de louvor ao Pai.

1º Domingo da Quaresma B

1º Domingo da Quaresma B

1.              Informações básicas
- o Espírito nos leva ao Deserto Quaresmal
- Oração –  Conhecer Jesus Cristo e responder ao seu amor por uma vida santa
- Leituras: 1 Gn 9, 8-15; Sl 24; 1 Pd 3,18-22; Mc 1,12-15


2. Esquemas

1º Esquema
o Espírito nos conduz ao deserto, como conduziu a Jesus, para sermos tentados, provados experimentar a limitação do mundo criado como o Povo de Deus no Deserto, a força do Espírito nos dará a graça de recusar o convite da serpente, de que o conhecimento basta para sermos felizes, recusar sempre de termos a Deus como um mentiroso e restabelecer o equilíbrio da Criação. Que a graça que superabunda sobre todo pecado possa fortalecer o nosso coração e redescobrindo a graça do batismo nesse deserto quaresmal da nossa vida, e experimentar que a Verdade e o amor são os caminhos do Senhor.

2º Esquema
“O tempo já se completou e o reino de Deus está próximo” O deserto da vida nos aponta para Deus, da mesma forma que Jesus, após o seu encontro com o Pai no deserto e sob o tentador, está pronto para anunciar que o Reino de Deus está próximo, somos convidados no deserto quaresmal a experimentar a presença plena de Deus, saber que a aliança de Deus é eterna, saber que a graça batismal é sempre atual, e que o Senhor nos reconduza ao seu caminho, à sua aliança.


3º Esquema
Convertei-vos e crede no evangelho... Entrar na Quaresma é aprender sempre a ouvir o apelo feito já na quarta-feira de cinzas, o voltar-se para Deus, para isso seguimos os passos de Jesus, deixamo-nos impulsionar pelo Espírito, em seguida aprendemos a conviver com a criação e com o mundo espiritual, em terceiro lugar suportamos as tentações, mas tendo sempre a frente que o final é estar com Jesus Cristo morto e ressuscitado para sempre. Que esta quaresma seja um momento de voltarmos para Deus, reaprender a caminhar em Deus: a verdade e o amor. 

Quarta-feira de Cinzas

Quarta-feira de Cinzas

1.                  Informações básicas
- Jejum, Oração e Esmola autênticos
- Oração –  penitência que nos fortalece contra o mal.
- Leituras: Jl 2, 12-18; Sl 50; 2 Cor 5, 20-6,2; Mt 6, 1-6.16-18


2. Esquemas

1º Esquema
A esmola é o símbolo do meu relacionamento caritativo com o próximo, por isso esse relacionamento tem como objetivo único fazer o bem por amor a Deus, que é o conceito de caridade cristã, realizar esse tipo de ação com qualquer outro tipo de intenção é querer ser pago, é querer recompensa que não é Deus. Por isso, o rasgar o coração e que nessa quaresma reconheçamos que às vezes nossas intenções desviam-se de Deus no nosso amar. Por isso, que Deus crie em nós um coração puro, um coração com intenções corretas nesta quaresma.


2º Esquema
Não rezar para ser visto pelos homens, nosso relacionamento com Deus é no fundo do coração, é no nosso quarto interior, esse relacionamento intimo não deve ser causa de aparecer, de receber o aplauso dos seres humano. A nossa volta para o Senhor, nossa teshuvá, deve ser feita a partir de dentro. Devemos então, ouvir São Paulo que nos diz, deixai-vos reconciliar com Deus, nos reaproximar Dele, fica a critério de nossa liberdade. Nessa quaresma, nossa oração deve sempre nos auxiliar nessa volta e reaproximar de Deus, de tal forma que tenhamos a certeza a alegria de sermos salvos.


3º Esquema
O jejum nos faz experimentar que somos criaturas, somos seres humanos limitados, e nessa limitação, somos chamados a vermos que somos sombra que passa e que a única recompensa é Deus, por isso qualquer esforço não deve ser objeto de reconhecimento humano, mas de encontro com Deus, descobrir em nós a essência do que somos. O jejum verdadeiro é voltar-se para Deus, para que Ele se volte para nós, aí sim a quaresma se torna um tempo favorável, um tempo de reencontro com Deus e com os irmãos e aí preparar o louvor eterno da Páscoa.

4º esquema


Convertei-vos e crede no Evangelho, o experimentar-se como criatura que vai morrer nos deve fazer voltar para Deus, nos deve ter a Deus como o objeto de nosso jejum, oração e esmola, exclamemos: “Piedade, ó Senhor, tende piedade porque pecamos contra vós” e de tal modo que Ele acolha nosso arrependimento e nos perdoe e ao final dessa quaresma experimentemos a reconciliação com Deus para sempre na Páscoa eterna.