sábado, 28 de junho de 2014

17º Domingo do Tempo Comum A

17º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Decisão pelo Reino
- Oração – usemos os bens que passam para abraçar os que não passam.
- 1 Rs 3, 5.7-12; Sl 118; Rm 8, 28-30; Mt 13, 44-52

1º Esquema
O Reino de Deus é como um tesouro, e somos chamados a decidir pelo Reino, para isso somos chamados a fazer todo o tipo de sacrifício, vender tudo para adquirir o tesouro, esse processo de optar pelo bem eterno em meio aos transitórios é a sabedoria que Salomão pede a Deus , um coração compreensivo, que saiba distinguir entre o bem e o mal, somos predestinados ao bem eterno, e a nós compete viver de acordo com a nossa vocação


2º esquema
O ser humano é chamado sempre a discernir entre o bem e o mal, essa é a verdadeira sabedoria, que sabe entender e compreender a realidade, quando assim o fazemos passamos a entender que tudo em nossa vida coopera para o bem daqueles que amam a Deus e sua lei, no final dos tempos o discernimento aprendido e realizado vai nos preparar para o julgamento de Deus.

3º esquema


O mestre da lei que se torna discípulo do Reino de Deus é como um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas, a exemplo de Salomão, como o exemplo de sábio, aquele que ama a lei de Deus no Reino de Deus sob a graça pode ter o discernimento perfeito a partir do seu coração, a sede do discernimento, e saber tirar coisas novas e velhas, sabe relacionar a lei e a graça, e assim viver a santidade.

16º Domingo do Tempo Comum A

16º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Deus é justo
- Oração – Repletos de fé, esperança e caridade.
- 1ª Leitura Sb 12, 13.16-19; Sl 85; rm 8, 26-27; Mt 13, 24-43

1º Esquema
Deixai crescer um ao lado do outro. Deus é paciente,e é essa paciência, ou clemência, como é dito no salmo, que faz com que a justiça seja feita no julgamento, a Providência de Deus intervém com sua justiça, quando se manifesta verdadeiramente aquilo que o ser humano é, como na primeira leitura, até os atos maus dos ser humano, servem para mostrar a bondade de Deus, quanto a nós não entendemos muita coisa, como os empregados da parábola, por isso que Espírito mova nosso coração para entender e se não entregarmos a nossa vida à Justa Providência de Deus.


2º esquema
O reino de Deus é como a semente de mostarda. Deus age, o seu reinado sobre o mundo, é a partir de pequenos sinais, pequenas moções do Espírito Santo em cada um de nós, essa ação em cada ser humano produzirá o arvoredo da Igreja, a ação misteriosa de Deus, e como na primeira leitura, Deus age com clemência, e quer que cada um de seus filhos sejam justos. Por isso, Deus é bom, clemente e fiel, e age assim na sua criação.

3º esquema


O Reino de Deus é como fermento, o fermento age corrompendo a massa, a partir de dentro, o cristão pela sua justiça recebida de Deus, vai transformando a si mesmo e a sociedade, se torna fermento no mundo, e mesmo diante da maldade do outro, esse fermento deve continuar agindo. Que o Espírito venha em socorro de nossa fraqueza para cada um de nós seja sinal do Reino de Deus no mundo, e demonstre que Deus é justo, clemente e fiel.

15º Domingo do Tempo Comum A

15º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
-  O Semeador e a semente
- Oração – a luz da verdade para ser cristão.
- 1ª Leitura Is 55, 10-11; Sl 64; Rm 8, 18-23; Mt 13, 1-23

1º Esquema
“O Semeador saiu para semear” Esta parábola é contada para o semeador, o evangelizador que deve confiar na eficácia da Palavra, mas que enfrenta diversas situações, sejam os espinhos do mundo, seja a ação do demônio ou aqueles que não tem raiz em si mesmo, mas o evangelizador deve confiar na eficácia da Palavra que ao cair não volta sem produzir fruto, frutos do Espírito no dizer de São Paulo.


2º esquema
A semente que caiu em boa terra é aquele que ouve a palavra e a compreende, é missão do Evangelizador confiar na eficácia da Palavra que não cai sem produzir frutos, mas é sua missão ajudar o terreno a acolher e produzir, a produção pode ser diversa seja 30, 60 ou 100, o importante não é a quantidade mas a produção, por isso, até o dia em que na eternidade, toda a criação chegará a sua plenitude, e que pregustamos pelos frutos do Espírito.

3º esquema
Mas ele não tem raiz em si mesmo, dentre os terrenos o pedregoso é aquela pessoa que é rasa, cuja compreensão da Palavra é superficial, é o que o povo diz, fogo de palha, o Semeador tem que ter consciência e ajudar as pessoas a terem raiz em si mesmo, que essa compreensão aprofunde-se no coração, no centro da decisão, por isso o Espírito de Deus deve preparar o terreno, ajudar a cada um a acolher a eficácia da Palavra e produzir frutos.



Assim, em outros esquemas pode-se trabalhar o evitar os espinhos do mundo através do fortalecimento pelo Espírito ou para evitar os ataques do mal.

14 º Domingo do Tempo Comum A

14 º Domingo do Tempo Comum A

1.                  Informações básicas
- Revelação aos pequeninos
- Oração –  Dai aos que libertastes as alegrias eternas
- Leituras: Zc 9, 9-10; Sl 144; Rm 8,9.11-13; Mt 11, 25-30.


2. Esquemas

1º Esquema
 “Eu te louvo Pai...porque revelastes aos pequeninos” O louvor de Jesus, o reconhecimento e o testemunho do Pai, é que o Evangelho é revelado aos pequeninos, os humildes que acolhem com alegria e graça a Palavra de Deus proclamada e encarnada. Da mesma forma que o profeta Zacarias vislumbrava o Messias humilde sobre um jumento, os seguidores do Messias não poderiam ser diferentes, deveriam ser humildes, e é essa humildade que faz-nos abrir ao Dom do Espírito Santo que nos santifica e nos ressuscitará como Ressuscitou o Messias, por isso com Jesus bendiremos a Deus para sempre que olha os humildes e pobres.

2º Esquema
“Ninguém conhece o Pai senão o Filho...” A Palavra de Deus encarnada é que revela quem é o Pai, o conhecimento no seio da Trindade é pleno e Jesus quer-nos fazer participar desse conhecimento, para que isso aconteça devemos assumir a nossa pequenez, assumir a pobreza como o fez o Messias no dizer de Zacarias, e assim o Espírito Santo morando num coração humilde seremos de Cristo e em Cristo filhos do Pai, e assim bendiremos ao Senhor para sempre conforme o Salmo 144.

3º Esquema
“Vinde a mim vós todos que estais cansados ...sob o peso dos vossos fardos” Como cristãos acreditamos que é a graça que salva e esta graça é acolhida num coração humilde, o fardo que carregamos é uma existência orgulhosa que crê poder salvar a si mesmos, seres humanos que apostam na lei como se ela pudesse salvar por si, como os fariseus hipócritas que impunham esse fardo no pescoço dos outros, somos discípulos do Messias humilde e pobre que vem sobre um jumento, e assim imersos no Espírito Santo, Dom Pleno do Pai, seremos salvos e glorificaremos a Deus para sempre.



São Pedro e São Paulo

São Pedro e São Paulo

1.                  Informações básicas
- O Martírio de São Pedro e São Paulo
- Oração –  Seguir os ensinamentos de São Pedro e São Paulo
- Leituras: At 12, 1-11; Sl 33; 2 Tm 4, 6-8.17-18; Mt 16, 13-19.


2. Esquemas

1º Esquema
Pedro tu és Pedra. Pedro é Pedra pela proclamação de sua fé, mas como podemos separar a fé da pessoa que a proclama? Por isso Pedro se torna a Pedra da Igreja de Cristo, porque dá testemunho público de Jesus é Deus e homem, esse testemunho o leva a dar a vida pela Igreja, ser preso e martirizado, o mesmo testemunho dado por Paulo, que guardou a fé. Por isso, engrandeçamos a Deus como esses Santos Apóstolos o fizeram.

2º Esquema
Não foi a carne ou sangue, não é a fragilidade humana que pode ver em Cristo o Filho de Deus, mas a inspiração do Pai, inspiração que faz com que São Paulo seja o mestre das nações levando-as a proclamar o senhorio de Jesus. A nós hoje também seja derramado o Espírito de Deus para proclamar Jesus em nossas palavras e em nossa vida.

3º Esquema

Irei construir a minha Igreja, a Igreja é de Jesus Cristo, Pedro o primeiro a proclamar a fé juntamente com Paulo que completa a corrida e guarda a fé, tornam-se esteio da Igreja de Cristo, esse esteio não é somente pela proclamação, mas pela vida, um pela cruz e o outro pela espada, testemunham (martyria) que Jesus é Deus. Que esse martírio nos seja hoje fecundo e possa levar a Igreja Católica hoje a testemunhar Jesus como o Filho de Deus, e todos possam bendizer verdadeiramente o nome de Deus. 

quarta-feira, 18 de junho de 2014

12 º Domingo do Tempo Comum A

12 º Domingo do Tempo Comum A

1.                   Informações básicas
- Evangelizar na perseguição
- Oração –  A graça de amar a Deus e temer
- Leituras: Jr 20,10-13; Sl 68; Rm 5, 12-15; Mt 10,26-33.


2. Esquemas

1º Esquema
“O que vos digo na escuridão, dizei-o à luz do dia”. A evangelização é a proclamação da Verdade sem medo, com coragem, na verdadeira “parresia”. Jesus no recesso da casa, na intimidade comunica a sua verdade aos seus discípulos, estes por sua vez, devem proclamar sem medo a Verdade Evangélica, Jesus que é a Palavra de Deus encarnada  que nos traz a salvação. Consciente da perseguição que isso trará, porém cremos que Deus defende e ampara os seus evangelizadores, pois o Senhor está do nosso lado, por isso clamemos que Deus olhe pela obra evangelizadora e nos atenda pelo amor que tem pelo seu povo.

2º Esquema
“Não tenhais medo daqueles que matam o corpo”. A obra da evangelização é desejo de Deus e cada discípulo-missionário deve estar aberto à Providência de Deus que conduz essa obra. Por isso, o Senhor Jesus nos exorta a não temer os homens que matam o corpo, àqueles que torcem para que o missionário falhe, erre e caia para desdizer da Palavra de Deus, mas temer a Deus que tem o poder sobre nossa vida, corpo e alma, crer que se Deus mantém os pardais também conduzirá essa obra, mesmo em meio à perseguição, pois a evangelização é graça de Deus que nos vem por Jesus Cristo. Que o Senhor coloque com muito amor seus olhos sobre a missão da sua Igreja. 

3º Esquema

“Aquele que se declarar a meu favor diante dos homens...” Evangelizar é testemunhar que Deus enviou seu Filho, a Palavra de Deus que se fez carne, para nos salvar. Esse testemunho é por palavra e obras que proclamem a presença de Deus no mundo. Evangelizamos não somente para ter bens terrestres, mas o olhar do evangelizador vai além, proclamamos em vista da eternidade, quando receberemos a recompensa. É isso que nos fortalece na perseguição, sabendo que Deus está do nosso lado e salva a vida do pobre, e por isso podemos clamar: “Atendei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor!”