segunda-feira, 9 de setembro de 2013

24º Domingo do Tempo Comum C

24º Domingo do Tempo Comum C


1.       Informações básicas
- Deus quer a conversão do pecador
- Oração – sentir em nós o amor de Deus para servir.
- Is 50, 5-9; Sl 114; Tg 2,14-18; Mc 8, 27-35.


1º Esquema
“Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”... Para ilustrar sua posição de acolher os pecadores e fazer parte da vida deles através da refeição Jesus conta a parábola da ovelha perdida na qual Deus vai atrás do pecador, porque quer a sua conversão e cura suas feridas, ilustrando de outra maneira Deus, como o Pai amoroso respeita a liberdade humana de ir e gastar a própria vida, mas quer sua volta, como no livro do Êxodo Deus mesmo diante da idolatria do povo, demonstra sua plena misericórdia desistindo de destruir o povo por seu pecado, da mesma forma Paulo torna-se um grande apóstolo porque experimente a grande misericórdia do Senhor, que cada um de nós experimente a misericórdia do Senhor e que o imensidão do amor nos purifique.

2º esquema
“Então caiu em si e disse...” O filho mais novo, pede a herança, com seu gesto pede a morte do pai, gasta tudo, mas recordando a bondade de seu pai, cai em si e decide voltar, acolhido pelo pai, este impulsionado pela misericórdia, reintegra o filho colocando o anel, a volta a aliança com a casa, liberta-o da escravidão (sandálias) e reintegra-o à graça (vestes), tudo em clima de festa, porque Deus faz festa para o pecador que volta, da mesma maneira Moisés clama pela misericórdia de Deus e nessa misericórdia Deus reintegra seu povo, somos convidados pois como São Paulo a entrar dentro de si e descobrir que somos pecadores, para assim deixar a misericórdia de Deus nos salvar, por isso ofereçamos a Deus nosso coração ao Pai das misericórdias.

3º esquema

“Filho, ... tudo o que é meu é teu”... Deus acolhe com festa o filho que volta, e quer que cada um nós faça festa para o pecador que retorna, por isso ao filho mais velho que tem o coração duro, o pai apela, tudo o que é meu é teu, inclusive o coração deve ser o mesmo. Moisés teve esse coração compassivo pelo povo, mesmo Deus oferecendo sair dele uma nação, São Paulo também experimentando a misericórdia de Deus no perdão por ter perseguido a Igreja, proclama o evangelho que transbordou a graça e o amor em Cristo Jesus, nós também devemos ser os proclamadores da misericórdia de Deus e como os servos ajudar o Pai a acolher o pecador que volta, com o anel, a roupa e as sandálias reintegrando-o à família de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário