segunda-feira, 26 de agosto de 2013

22º Domingo do Tempo comum C

22º Domingo do Tempo comum C

1.                   Informações básicas
- A graça transforma nosso coração para praticar obras de amor
- Oração – Que Deus derrame seu amor.
- Leituras: Eclo 3,19-21.30-31; sl 67; Hb 12, 18-19.22-24; Lc 14,1.7-14.


2. Esquemas

1º Esquema
“Porque quem se eleva será humilhado e quem se humilha será elevado”... Jesus exorta à verdadeira humildade, isto é aquele que humilha a si mesmo, se coloca em seu lugar de criatura, este será elevado (futuro passivo) por Deus, e o contrário também, aquele que se eleva será corrigido por Deus, será humilhado, por isso o autor do Eclesiástico afirma que é aos humildes que Deus revela os seus mistérios, revela a si  mesmo, é o humilde, o totalmente dependente de Deus, é que se aproxima das realidades divinas de Jesus o mediador da Nova Aliança, por isso a nossa confiança é em Deus que prepara com carinho prepara a mesa para o pobre.

2º Esquema
“Quem se humilha será elevado”...Como dizia Santo Agostinho, humildade é a verdade, o ser humano é chamado a assumir sua dimensão criatural perante Deus, quanto mais assumimos que somos criatura mais a graça de Deus age em nós, como diz Eclesiástico, é Deus que glorifica, que eleva, aquele que reconhece-se dependente de Deus abre-se à graça e é transformado por ela, esse processo vai desembocar na eternidade, quando plenificados por Deus, adoraremos a Deus para sempre, o juiz de todos, à perfeição. Que Deus que prepara a mesa para o pobre nos acolha na Eternidade.

3º Esquema
“Convide os pobres.... porque eles não te podem retribuir”... Somos felizes verdadeiramente na medida em que vivemos a gratuidade para com nossos irmãos e irmãs, quando a exemplo de Deus nosso Pai, que prepara a mesa para o pobre, o protetor dos órfãos e viúvas, que glorifica os humildades, seremos felizes, porque amaremos as pessoas por serem criaturas amadas por Deus, e não para esperar qualquer contributo, até mesmo o agradecimento, que o Senhor derrame em nossos corações a graça de uma verdadeira gratuidade.



segunda-feira, 19 de agosto de 2013

21º Domingo do Tempo Comum C

21º Domingo do Tempo Comum C

1. Informações básicas
-
- Oração – fixar os corações nas verdadeiras alegrias
- Is 66, 18-21; Sl 116; Hb 12,5-7.11-13; Lc 13,22-30.

1º Esquema
“Senhor, é verdade que são poucos os que se salvam?”... O começo da salvação é fazer a pergunta sobre a própria salvação, e ouvir sobre o esforço para crescer em direção a Deus, o que acontece hoje é que não há pergunta sobre a salvação, há uma indiferença com relação ao assunto, e diante dos problemas e correções do Senhor, simplesmente se evita a falar no assunto salvação, somos chamados como Isaías diante do retorno dos exilados, daqueles que sofreram na Babilônia a proclamar que Deus quer a salvação, a vida plena do ser humano, e que a nós é preciso começar a buscar a salvação, esse é o Evangelho, a boa nova trazida por Cristo.


2º esquema
“Fazei todo esforço possível para entrar pela porta estreita”. Esforçar, é no original grego, lutar para conseguir, é uma busca efetiva pela salvação, e para isso temos que deixar todo o nosso egoísmo que quer a porta larga para entrar com toda espécie de vícios, quereres, vontades egoístas, desapegar-se e permitir que o Senhor, como diz Hebreus, nos molde, nos corrija como um Pai que quer o desenvolvimento de seu Filho, aí poderemos entrar na festa dos povos, pois esta é a vontade do Senhor, uma grande festa de acolhida para aqueles que buscam sua face. Por isso, que todos os povos festejem a presença de Deus.  

3º esquema
“Afastai-vos de mim todos vós que praticais a injustiça!” Quem são os muitos que tentarão entrar e não conseguirão? Jesus dá a reposta, são aqueles que praticam a injustiça, por isso nada de ter uma visão de Deus como um juiz arbitrário e vingativo, é a nossa própria injustiça que não nos permite entrar em sua presença, por isso peçamos que o Senhor nos corrija como um Pai que educa seu filho para que ele cresça e aprenda a se relacionar em sociedade, Deus assim quer que sejamos, homens e mulheres adultos que saibam praticar a justiça, para que entremos na festa da eternidade de todos os povos, como na visão do profeta Isaías ao contemplar a volta dos exilados. Que a boa nova, o evangelho, da justiça seja pregado e aceito por todos os povos.