quinta-feira, 22 de março de 2012

Domingo de Ramos da Paixão do Senhor B


Domingo de Ramos da Paixão do Senhor B

1.                   Informações básicas
- Cristo Rei pela sua Cruz
- Oração –  aprender os ensinamentos da Paixão do Senhor para chegar à ressurreição
- Leituras: Mc 11, 1-10; Is 50, 4-7; Sl 21; Fl 2, 6-11; Mc 14,1-15,47.
Breve homilia


2. Esquemas

Tema geral: seguir os passos de Jesus em sua paixão e morte, para chegar à ressurreição (monição do início)

1. Apresentar Jesus como rei dos judeus e de todos nós, rei que tem como trono sua cruz, como descendente de Davi é o rei perfeito que dá a vida para a salvação de seu povo. Nós somos chamados a reinar com Ele.

2. O sofrimento de Jesus é redentor, passando pela humilhação das bofetadas e cusparadas, pela coração de espinhos, pela dor física da flagelação, até a dor suprema da morte da cruz para nos dar a graça de carregar a cruz.

3. A traição do amigo, daquele que come com ele, também a ridicularização da verdade, o suportar tudo isso leva a vencer a mentira que grassa no mundo. Num mundo cheio de mentira, o sofrer com Cristo pela verdade tem todo o sentido e não é em vão.

4. Os personagens da paixão são atuais, da omissão de Pilatos, à inveja daqueles que acusam, a mentira, o abandono dos amigos, são nossos sofrimentos, que unidos a Cristo se tornam salvadores também pela humanidade.

5. Dando um grande grito entregou o espírito, cada dia somos entregues a morte, cada dia passamos por momentos de sofrimentos físicos e morais, até o momento supremo da entrega ao Pai, que Jesus nos auxilie a aprender a morrer cada dia, até a nossa entrega suprema através Dele no Espírito.

Tudo isso, pode ser iluminado pela profecia de Isaías, no Canto do Servo, o sofrimento é físico e moral, que se cumpre em Cristo, esse Jesus, que assumiu toda a nossa humanidade para assim possamos participar da sua Divindade. No dia eterno quando cada um de nós poderá dizer “glorificai-o, descendentes de Jacó, e respeita-o, toda a raça de Israel”.

segunda-feira, 19 de março de 2012

5º Domingo da Quaresma B


5º Domingo da Quaresma B

1.                  Informações básicas
- Cristo morto e ressuscitado nos atrai
- Oração –  entregar-se a Deus na mesma entrega de Cristo
- Leituras: Jr 31,31-34; Sl 50; Hb 5,7-9; Jo 12, 20-33


2. Esquemas

1º Esquema
Se o grão de trigo não morrer... A entrega de Cristo é sua morte e ressurreição, o ser humano estava morto pelo pecado e a entrega de Cristo é para que o ser humano tenha vida e vida em abundância, nesse processo de entrega cada um de nós é convidado a se associar, caminhar na mesma caridade de Cristo que o levou a entregar-se à morte no seu amor pelo mundo. Essa graça de entrega é impregnada em nosso coração, essa é a nova Aliança profetizada por Jeremias, que nos leva a colocar nosso sofrimento e morte a serviço de Deus, por isso peçamos um coração puro, uma decisão pura de entrega pela salvação do mundo.

2º Esquema
Quando for elevado da terra, atrairei todos a mim... A elevação do Filho de Deus encarnado é sua morte de cruz e ressurreição, não são duas elevações, mas uma única, representada no Mistério Pascal, é o mesmo amor que o impele a ser elevado para a salvação do mundo, e nos convoca a mesma entrega na medida que nos exorta a não nos apegarmos a própria vida, para essa nossa entrega temos que nos associar à entrega de Cristo, essa graça de entrega é impregnada em nosso coração, Nova Aliança, conhecemos assim Deus como Ele é, nessa mediada cada suspiro ou dor torna-se um verdadeiro louvor a Deus como o de Cristo o foi, Que Deus nos dê um coração puro, livre do egoísmo e do  pecado, para nos entregarmos totalmente.

3º Esquema
Se alguém me serve meu Pai o honrará... Jesus é o servo sofredor que por sua morte e ressurreição, sua doação e entrega nos possibilita a salvação, somos servos Dele e Nele, nessa medida a Aliança Nova é esse entregar-se à morte no seu amor pelo mundo que é impresso em nosso coração, a partir de agora o conhecimento de Deus é graça pura, que nos leva a ter a salvação eterna por que lhe obedecemos, salvação na qual experimentamos a alegria perfeita. 

segunda-feira, 12 de março de 2012

4º Domingo da Quaresma B


4º Domingo da Quaresma B

1.                   Informações básicas
- Da morte para a vida
- Oração –  Cristo realiza a reconciliação, que o povo vá à Páscoa exultando de fé.
- Leituras: 2 Cr 36,14-16.19-23; Sl 136; Ef 2, 4-10; Jo 3, 14-21.


2. Esquemas

1º Esquema
“é necessário que o Filho do homem seja levantado...” O Cristo morto e ressuscitado é o sinal de nossa fé para alcançarmos o pleno relacionamento com Deus, seu sofrimento e sua ressurreição nos permitem passar da morte para a vida, da mesma forma que o sofrimento de Israel no Exílio e sua libertação foram sinais para o mundo da salvação de Deus, o Cristo morto e ressuscitado é o sinal definitivo da salvação de Deus no mundo, e nós atingimos essa vida através da graça que nos é dada em Cristo, nossas misérias e pecados são perdoados pela nossa união a Jesus Cristo morto e ressucitado, e assim a Jerusalém celeste será a nossa única alegria.

2º Esquema
“Deus amou tanto o mundo...” Deus envia seu Filho Unigênito para que por morte e ressurreição tenhamos a vida eterna, essa doação de Deus é seu maior ato de amor, e de nós é pedida a fé, a nossa entrega a esse mistério de Amor, a medida que nos entregamos, não confiando em nossas obras, mas na graça que nos vem pela fé no Filho de Deus, somos totalmente unidos a Deus em Cristo Jesus, recebemos a paz verdadeira, essa mesma paz que Israel recebeu após passar por todo o sofrimento do Exílio, essa paz que queremos receber após todo o sofrimento nesta vida, por isso não nos esqueçamos de Jerusalém, nossa pátria eterna da paz.

3º Esquema
Para que não morra todo aquele que nele crê, mas tenha a vida eterna... nós ansiamos por vida e mais vida, mas encontramos o sofrimento em nossa vida que muitas vezes parece sem sentido, a exemplo de Israel que foi massacrado no Exílio, contemplando até sua extinção como povo, mas Deus intervém na História e o restaura, assim em nossa vida, todo o nosso sofrimento se transforma, e passamos da morte para vida, pela nossa fé em Cristo Jesus, nele experimentamos que Deus é misericórdia, nele passamos da morte pela vida pela graça que recebemos, por isso que nossa tristeza presente se transforme através de nossa União com Cristo, e cantemos para sempre os louvores a Deus na Jerusalém terrestre. 

segunda-feira, 5 de março de 2012

3º Domingo da Quaresma B


3º Domingo da Quaresma B

1.                   Informações básicas
- Jesus é o Templo
- Oração –  Na consciência da nossa fragilidade confortados pela misericórdia de Deus.
- Leituras: Ex 20, 1-17; Sl 18; 1 Cor 1, 22-25; Jo 2, 13-25.


2. Esquemas

1º Esquema
“Jesus estava falando do templo do seu corpo”. Jesus entra no Templo e o purifica de todo comércio, de toda ação profana, Ele fica só no Templo, o seu corpo é o novo templo no qual o culto acontece a partir de agora. A adoração ao Único Deus, prescrita na Aliança agora é através do Corpo do Cristo Morto e Ressuscitado, nele se presta o verdadeiro culto a Deus, no dizer de São Paulo Cristo morto e ressuscitado é a verdadeira sabedoria de Deus,é a sua palavra final, é sua palavra de vida eterna.

2º Esquema
“Destruí este templo, e em três dias eu o levantarei”, o Templo é o lugar Único para adorar ao Deus Único, prestar verdadeiros sacrifícios, agora o sacrifico é feito pelo Cristo Morto e Ressuscitado e nele, no único Mediador, se presta a verdadeira adoração a Deus, o ser humano no cumprimento dos mandamentos terá somente em Deus através de Cristo morto e ressuscitado a verdadeira fonte de vida, não se colocará em qualquer outra criatura essa fonte, Cristo se torna a verdadeira sabedoria de Deus e o verdadeiro poder de Deus, sua palavra de vida eterna.

3º Esquema
Ele conhecia o ser humano por dentro... O ser humano tem por vocação básica a adoração a Deus, e é no Corpo de Cristo que prestamos tal culto, é assumindo nossa fragilidade humana que adoramos verdadeiramente a Deus e quanto mais assumimos essa fragilidade mais próximo estamos de Cristo morto e ressuscitado, a verdadeira sabedoria de Deus no dizer de São Paulo, nessa medida devemos contemplar os mandamentos, sem absolutizar qualquer realidade terrestre e por sua vez, ouvir a voz de Deus em nossos pais e em qualquer autoridade, nos tornamos verdadeiros adoradores e saber que só o Senhor tem palavras de vida eterna.