domingo, 25 de setembro de 2011

27º Domingo do Tempo Comum A


27º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- A vinha do Senhor
- Oração – Deus perdoa o que nos pesa na consciência.
- Is 5, 1-7; Sl 79; Fp 4, 6-9; Mt 21, 33-43.

1º Esquema
Vamos mata-lo para tomar posse de sua herança. Israel é a vinha do Senhor, Ele a quer, mas por causa do pecado humano, que quer tomar posse daquilo que é de Deus, o ser humano prejudica a obra de Deus. Ao invés de trabalhar pela paz com o outro, trabalhar pelo amor que pela entrega une ao outro e a Deus, o ser humano quer tomar posse da vida, e ao tentar fazer isso, o ser humano acaba perdendo a vida em Deus. Por isso, nessa liturgia é preciso pedir a Deus a graça de não tentar tomar posse da vinha mas servi-Lo nela.

2º esquema
Arrendará a vinha a outros vinhateiros. Os anciãos sabiam que eram sobre eles a parábola, mas a verdade não pode ser escondida, na medida que não zelamos pela vinha do Senhor, pela vida de seu povo, nós perdemos a capacidade de servir essa vinha, perdemos a vida, não se pode exercer a tirania sobre a videira do Senhor, por isso o segredo é saber que é Deus quem sustenta a nossa vida e é só a Ele que servimos, isso nos trará paz ao coração.

3º esquema
O reino será tirado e será entregue a um povo que produzirá fruto. Ou a nossa mentalidade é servir ou perderemos o Reino de Deus. Aquele que é do Reino de Deus, zela pela Obra que é Dele, sabe-se fraco e sabe que somente Deus pode dar a graça para fazer o Reino de Deus crescer. Na história o todas as vezes que o Povo tentou tomar posse da obra de Deus, a vinha foi destruída, e matou os verdadeiros servos da vinha. Por isso o Reino será tirado daqueles que tem essa mentalidade dominadora. O Senhor quer que nos ocupemos com tudo o que é verdadeiro, justo e puro, trabalhando com Ele para o crescimento do Reino de Deus, do Reino que é DELE.

domingo, 18 de setembro de 2011

26º Domingo do Tempo Comum A


26º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Ser cristão é agir bem
- Oração – Deus mostra seu poder no amor e na misericórdia.
- Ez 18, 25-28; Sl 24; Fl 2, 1-11; Mt 21, 28-32.

1º Esquema
“Qual dos dois fez a vontade do pai?” O Cristianismo é práxis, é prática que gera a vida na videira do Pai, portanto o amor cristão não é somente afetivo, mas também efetivo, isto é, é prática que gera vida, se se pratica o bem é justo, se se pratica o mal é ímpio, e a este é preciso arrepender-se e começar a fazer o bem, ter os sentimentos de Jesus é entrar nessa dinâmica de entrega de morrer para si mesmo para produzir vida. Que o Senhor mostre seus caminhos para que aprendamos a fazer o bem.

2º esquema
“Os cobradores de impostos e as prostitutas vos precedem no reino de Deus” para quem assume-se pecador, como nos diz Ezequiel, quando o ímpio se arrepende ele reconhece Deus que o perdoou e pratica o bem, diferente dos hipócritas preocupados com a própria aparência de justiça, por isso os pecadores reconhecendo-se assim, podem ter os mesmo sentimentos de Cristo Jesus e praticar o bem porque deixam a graça de Deus agir.

3º esquema
“mudou a opinião e foi...” o não do pecador que se arrepende é momentâneo porque depois reconhece a necessidade de obedecer o Pai, somente aquele que reconhece a bondade do Pai, aquele que tem ternura e compaixão, é que consegue voltar, converter-se, somente aí se reconhecendo ímpio ele se arrepende. A hipocrisia é impede ver esse amor de Deus, e impede que o arrependimento aconteça, por isso contemplando a entrega de Jesus peçamos que o nosso coração se volte para o Pai e volte a ter decisões por fazer o bem.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

25º Domingo do Tempo comum A


25º Domingo do Tempo comum A

1.                  Informações básicas
- Deus é justo e bom
- Oração – A lei é o amor.
- Leituras: Is 55, 6-9; Sl 144; Fl 1, 20-24.27; Mt 20, 1-16.


2. Esquemas

1º Esquema
“Vieram os que tinham sido contratados às cinco da tarde...” A reclamação dos que começaram a trabalhar na primeira hora, é a mesquinhez humana que não entende a bondade justa, ou justiça bondosa de Deus, pode ser os descendentes de Abraão ao verem que os discípulos de Jesus são beneficiados, ou os convertidos de primeira hora olhando os que se convertem na última hora de vida, o pensamento de Deus está muito acima de nossa mesquinhez, o desejo é a salvação de todos, como São Paulo que experimentou essa justiça bondosa em sua vida, pode agora ansiar pelo Reino Definitivo, mas se conforma com aquilo que é vontade de Deus, pois é justo o Senhor em seus caminhos.

2º Esquema
Os últimos serão os primeiros, o desejo de Deus seria que os trabalhadores da primeira hora tivessem o mesmo pensamento que Ele tem, que se regozijassem que os trabalhadores da undécima hora recebessem a mesma coisa que eles, o desejo de Deus é que o glorificassem e O louvassem pela sua gratuidade, mas o ser humano é limitado ao entender os caminhos de Deus, São Paulo conseguiu uma medida justa nesse entendimento ao colocar sua vida a serviço de Deus seja qual for sua vontade que ele fique ou morra, que entendamos que o Senhor é muito bom não para os que trabalharam o dia todo, mas com todos.

3º Esquema

Estás com inveja porque estou sendo bom?” A nossa miserabilidade de seres humanos nos fazem não entender a bondade de Deus, e queremos como diz o povo ser mais realistas que o rei, a nossa visão de justiça é fazer o outro sofre, tripudiando sobre o sofrimento alheio, é uma justiça fria e calculista e não uma justiça que procura fazer o bem ao outro, por isso devemos aprender de Deus a ser justos para salvar o próximo, uma justiça que se alegra com aqueles que mesmo na última hora decidiram por Deus, uma justiça que se alegra com o pecador que se converte, que tenhamos o amor de Paulo que mesmo totalmente em paz com Deus, aceita em ficar para fazer o bem, é uma justiça que brota da bondade, por o Senhor é bom e justo.  

sábado, 3 de setembro de 2011

24º Domingo do Tempo Comum A


24º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Fomos perdoados por isso perdoamos
- Oração – sentir em nós o amor de Deus para servir.
- Eclo 27, 33-28,9; Sl 102; Rm 14, 7-9; Mt 18, 21-35.

1º Esquema
Quantas vezes devo perdoar, a pergunta de Pedro quer delimitar o perdão, quer delimitar a compaixão. Jesus joga para a compaixão total, nessa compaixão não existe espaço para mesquinhez, uma vez que fomos totalmente perdoados por Deus e devemos assim perdoar. Mas o que é perdoar? Esquecer? É entregar o que nos ofende à Justiça do Deus que é compaixão, por isso, pensemos na Aliança, pensemos no julgamento, pensemos naquele que morreu por nós, o julgamento último é a partir do trono da Cruz. Que Deus que é compaixão nos ensine a perdoar.

2º esquema
Não devias também tu ter compaixão do seu companheiro. Experimentar o perdão de Deus é experimentar que Deus como misericórdia nos perdoou, o devedor do evangelho experimenta isso como exercício de um poder que subordina, e isso o faz querer subordinar o próximo que devia a ele, o raciocínio de Deus é a compaixão e não o poder, da mesma forma deveria ser o nosso raciocínio, pois se não temos compaixão de nosso semelhante não acolhemos a compaixão de Deus. Que a nossa limitação, nossa fragilidade humana, nos ensine a acolher o amor de Deus na morte e ressurreição de Cristo, isso nos dá a graça de perdoar, como Deus que é bondoso o faz.

3º esquema
Devia uma enorme fortuna... O ser humano é criatura, essa é a experiência fundamental, quando aceitamos essa limitação e fragilidade, e do nosso próximo passamos a ter uma verdadeira empatia, se colocar no lugar do outro e entender porque os pecados acontecem, aí conseguimos perdoar, porque experimentamos isso no perdão nos dado em Jesus Cristo. Por isso é necessário experimentar em primeiro lugar a enormidade do perdão de Deus, e em seguida pedir a graça de perdoar, que nos vem da Cruz e o que não entendemos entregar ao Deus de todo perdão e misericórdia, Ele é o verdadeiro justo, confiemos em seus juízo e misericórdia.