quarta-feira, 6 de julho de 2011

19º Domingo do Tempo Comum A

19º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Fé e Aliança
- Oração – Considera vossa aliança e dai-nos um coração de filhos.
-  1 Rs 19, 9.1-13; Sl 84; Rm 9, 1-5; Mt 14, 22-33.

1º Esquema
Homem fraco na fé, porque duvidaste? Diante do vento a fé de Pedro vacila, fé é que leva Pedro ir ao encontro do Senhor em meio às Trevas, enquanto os outros ficam na segurança do barco, mesmo assim o vento e o mar, o caos o faz vacilar, mas mesmo assim Pedro reconhece o Senhor como Senhor e estende as mãos ao encontro da mão do Mestre. Como Elias que reconhece em meio às demonstrações de força do vento e do fogo a voz na Brisa suave, retorna ao lugar da Aliança primeira, Aliança do Povo de Israel que Jesus é a plenitude. Por isso, que esta Eucaristia seja o fortalecimento da Aliança em nossa vida, e paz e justiça se abracem.

2º esquema
Jesus subiu ao monte, do mesmo modo que o Horeb é o lugar do encontro intimo com Deus para Elias em sua missão de executar a Palavra dada por Deus, Jesus no colóquio íntimo com o Pai se fortalece na sua dominação do caos que é o vento e o mar, também nós, com a fé fortalecida na Eucaristia, a Aliança Eterna que se faz presente somos chamados a nos fortalecer, e experimentar a bondade e a salvação que Deus prometeu ao Povo de Israel e sempre, sempre dá em sua Aliança.

3º esquema
Verdadeiramente tu és o Filho de Deus, experimentar o sofrimento em meio a nossa vida com fé nos faz professar que Jesus é o Senhor, como Elias que cansado de sua luta solitária recobra força voltando ao Deus da Aliança, nós também nos voltando ao Deus da Aliança, das leis, do culto, das promessas, através de Jesus Cristo, nos fortalecemos para evangelizar na certeza de que a verdade e o amor, a justiça e a paz se abraçarão.

terça-feira, 5 de julho de 2011

18º Domingo do Tempo Comum A


18º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Deus alimenta seu povo
- Oração – Inesgotável bondade de Deus na criação.
- Is 55, 1-3; Sl 144; Rm 8, 35.37-39; Mt 14, 13-21

1º Esquema
Da compaixão (splanchizomai) do Cristo surge a vida, na multiplicação dos pães, o pão Eucarístico reúne a Igreja, representada pelo número dos 12 cestos, tornando o povo em povo livre (5000 homens), sonho de liberdade do deutero Isaías que se realiza em Cristo Jesus, por isso São Paulo pode proclamar que nada pode nos separar do amor  de Cristo, nem a fome, e nem a morte, Deus nos sacia plenamente até a vida eterna.

2º esquema
Dai-lhes vós mesmo que comer. O milagre da multiplicação dos pães não é mágica, mas fruto do amor misericordioso de Deus, que é misericórdia e piedade. Esse Deus que ama quer nos associar ao seu amor, por isso diante do povo faminto, do povo que vem pobre do Exílio, e que o Senhor convida a vir comer sem paga, pede a mesma gratuidade de cada um de nós para com o necessitado, uma verdadeira gratuidade. Nesse amor de Cristo seremos verdadeiros vencedores.

3º esquema
Eram mais de cinco mil homens,. Deus quer homens e mulheres livres, por isso o Cristo morto e ressuscitado se doa para que o ser humano seja livre, o sacramento dessa liberdade é a Eucaristia, da mesma maneira nos convida a fazer a outros livres, como o sonho dos voltam do exílio, e que buscam a terra onde haverá bens na gratuidade, um povo com terra e com bens livres, mas a verdadeira liberdade, é a proclamação de São Paulo, vitoriosos e livres do maior mal que é o pecado e a morte, e unidos a Deus para sempre no amor, o Deus que é misericórdia e piedade.

17º Domingo do Tempo Comum A


17º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Decisão pelo Reino
- Oração – usemos os bens que passam para abraçar os que não passam.
- 1 Rs 3, 5.7-12; Sl 118; Rm 8, 28-30; Mt 13, 44-52

1º Esquema
O Reino de Deus é como um tesouro, e somos chamados a decidir pelo Reino, para isso somos chamados a fazer todo o tipo de sacrifício, vender tudo para adquirir o tesouro, esse processo de optar pelo bem eterno em meio aos transitórios é a sabedoria que Salomão pede a Deus , um coração compreensivo, que saiba distinguir entre o bem e o mal, somos predestinados ao bem eterno, e a nós compete viver de acordo com a nossa vocação


2º esquema
O ser humano é chamado sempre a discernir entre o bem e o mal, essa é a verdadeira sabedoria, que sabe entender e compreender a realidade, quando assim o fazemos passamos a entender que tudo em nossa vida coopera para o bem daqueles que amam a Deus e sua lei, no final dos tempos o discernimento aprendido e realizado vai nos preparar para o julgamento de Deus.

3º esquema
O mestre da lei que se torna discípulo do Reino de Deus é como um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas, a exemplo de Salomão, como o exemplo de sábio, aquele que ama a lei de Deus no Reino de Deus sob a graça pode ter o discernimento perfeito a partir do seu coração, a sede do discernimento, e saber tirar coisas novas e velhas, sabe relacionar a lei e a graça, e assim viver a santidade.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

16º Domingo do Tempo Comum A


16º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Deus é justo
- Oração – Repletos de fé, esperança e caridade.
- 1ª Leitura Sb 12, 13.16-19; Sl 85; rm 8, 26-27; Mt 13, 24-43

1º Esquema
Deixai crescer um ao lado do outro. Deus é paciente,e é essa paciência, ou clemência, como é dito no salmo, que faz com que a justiça seja feita no julgamento, a Providência de Deus intervém com sua justiça, quando se manifesta verdadeiramente aquilo que o ser humano é, como na primeira leitura, até os atos maus dos ser humano, servem para mostrar a bondade de Deus, quanto a nós não entendemos muita coisa, como os empregados da parábola, por isso que Espírito mova nosso coração para entender e se não entregarmos a nossa vida à Justa Providência de Deus.


2º esquema
O reino de Deus é como a semente de mostarda. Deus age, o seu reinado sobre o mundo, é a partir de pequenos sinais, pequenas moções do Espírito Santo em cada um de nós, essa ação em cada ser humano produzirá o arvoredo da Igreja, a ação misteriosa de Deus, e como na primeira leitura, Deus age com clemência, e quer que cada um de seus filhos sejam justos. Por isso, Deus é bom, clemente e fiel, e age assim na sua criação.

3º esquema
O Reino de Deus é como fermento, o fermento age corrompendo a massa, a partir de dentro, o cristão pela sua justiça recebida de Deus, vai transformando a si mesmo e a sociedade, se torna fermento no mundo, e mesmo diante da maldade do outro, esse fermento deve continuar agindo. Que o Espírito venha em socorro de nossa fraqueza para cada um de nós seja sinal do Reino de Deus no mundo, e demonstre que Deus é justo, clemente e fiel.

15º Domingo do Tempo Comum A


15º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
-  O Semeador e a semente
- Oração – a luz da verdade para ser cristão.
- 1ª Leitura Is 55, 10-11; Sl 64; Rm 8, 18-23; Mt 13, 1-23

1º Esquema
“O Semeador saiu para semear” Esta parábola é contada para o semeador, o evangelizador que deve confiar na eficácia da Palavra, mas que enfrenta diversas situações, sejam os espinhos do mundo, seja a ação do demônio ou aqueles que não tem raiz em si mesmo, mas o evangelizador deve confiar na eficácia da Palavra que ao cair não volta sem produzir fruto, frutos do Espírito no dizer de São Paulo.


2º esquema
A semente que caiu em boa terra é aquele que ouve a palavra e a compreende, é missão do Evangelizador confiar na eficácia da Palavra que não cai sem produzir frutos, mas é sua missão ajudar o terreno a acolher e produzir, a produção pode ser diversa seja 30, 60 ou 100, o importante não é a quantidade mas a produção, por isso, até o dia em que na eternidade, toda a criação chegará a sua plenitude, e que pregustamos pelos frutos do Espírito.

3º esquema
Mas ele não tem raiz em si mesmo, dentre os terrenos o pedregoso é aquela pessoa que é rasa, cuja compreensão da Palavra é superficial, é o que o povo diz, fogo de palha, o Semeador tem que ter consciência e ajudar as pessoas a terem raiz em si mesmo, que essa compreensão aprofunde-se no coração, no centro da decisão, por isso o Espírito de Deus deve preparar o terreno, ajudar a cada um a acolher a eficácia da Palavra e produzir frutos.

Assim, em outros esquemas pode-se trabalhar o evitar os espinhos do mundo através do fortalecimento pelo Espírito ou para evitar os ataques do mal.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

São Pedro e São Paulo


São Pedro e São Paulo

1.                  Informações básicas
- O Martírio de São Pedro e São Paulo
- Oração –  Seguir os ensinamentos de São Pedro e São Paulo
- Leituras: At 12, 1-11; Sl 33; 2 Tm 4, 6-8.17-18; Mt 16, 13-19.


2. Esquemas

1º Esquema
Pedro tu és Pedra. Pedro é Pedra pela proclamação de sua fé, mas como podemos separar a fé da pessoa que a proclama? Por isso Pedro se torna a Pedra da Igreja de Cristo, porque dá testemunho público de Jesus é Deus e homem, esse testemunho o leva a dar a vida pela Igreja, ser preso e martirizado, o mesmo testemunho dado por Paulo, que guardou a fé. Por isso, engrandeçamos a Deus como esses Santos Apóstolos o fizeram.

2º Esquema
Não foi a carne ou sangue, não é a fragilidade humana que pode ver em Cristo o Filho de Deus, mas a inspiração do Pai, inspiração que faz com que São Paulo seja o mestre das nações levando-as a proclamar o senhorio de Jesus. A nós hoje também seja derramado o Espírito de Deus para proclamar Jesus em nossas palavras e em nossa vida.

3º Esquema
Irei construir a minha Igreja, a Igreja é de Jesus Cristo, Pedro o primeiro a proclamar a fé juntamente com Paulo que completa a corrida e guarda a fé, tornam-se esteio da Igreja de Cristo, esse esteio não é somente pela proclamação, mas pela vida, um pela cruz e o outro pela espada, testemunham (martyria) que Jesus é Deus. Que esse martírio nos seja hoje fecundo e possa levar a Igreja Católica hoje a testemunhar Jesus como o Filho de Deus, e todos possam bendizer verdadeiramente o nome de Deus.