segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Epifania do Senhor


Epifania do Senhor

1. Informações básicas
- Revelação de Deus a todos os povos
- Oração – Hoje revelastes o vosso Filho às nações.
- Leituras: Is 60, 1-6; Sl 71; Ef 3,2-3a.5-6;Mt2,1-12.

2. Esquemas

1º Esquema
Viemos do Oriente adorar o Rei... O sonho de Isaías se cumpre, a salvação que está em Sião agora é reconhecida pelas nações (gói), nos reis, eles representam cada um de nós que reconhecem no menino a presença plena de Deus, no seu ajoelhar, o reconhecimento da divindade está a adoração de cada ser humano, enquanto a epifânia do Natal se restringe aos pastores de Israel, nos magos estão todos os seres humanos, no dizer de Paulo, os pagãos são admitidos à mesma herança de Israel, por isso a Epifânia é a festa das nações, que hão de adorar a Deus.

2º Esquema
Ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra. Nos três presentes está a nossa vida que reconhece naquele menino o Rei que vem para servir o ser humano dando-lhe a salvação plena cujo cume é a cruz, a mirra pó utilizado no sepultamento, e finalmente o incenso reconhecendo que aquele serve através da sua morte é Deus e vem nos trazer a salvação plena. É tudo isso que o Profeta Isaías disse que as nações viriam buscar e na promessa feita aos patriarcas agora todos os povos podem participar da salvação plena.

3º Esquema
Ao verem de novo a estrela, os magos sentiram uma alegria muito grande. Na busca dos magos está a busca de cada ser humano por salvação e vida. Por isso, a alegria deles é nossa alegria, buscamos ainda essa salvação e queremos hoje nos alegrar por contemplar no Filho de Deus encarnado Deus (incenso), o Rei (ouro) e o ser humano mortal (mirra), no hoje da Liturgia queremos ir a Sião contemplar essa salvação e tomar posse da promessa e da herança que nesse menino nos é dada.      

Santa Mãe de Deus


Santa Mãe de Deus

1. Informações básicas
- Santa Maria Mãe de Deus
- Oração – Virgindade Fecunda de Maria.
- Leituras: Nm 6, 22-27; Sl 66; Gl 4,4-7; Lc 2, 16-21.

2. Esquemas

1º Esquema
Encontraram Maria e José... Na plenitude do templo Deus nasce de uma mulher, a participação dessa mulher no processo salvífico nos faz ver como deve ser nosso relacionamento com Deus, Maria virgem, totalmente fiel ao projeto de Dus, e Mãe, o relacionamento mais pleno com Deus, nos guia como deve ser o nosso relacionamento com Deus, esse relacionamento é no tempo, por isso no início de cada ano nos faz pedir que essa bênção, Deus quer nos fazer o bem, e que Maria interceda por nós para que saibamos como ela nos relacionar com Deus.

2º Esquema
Deram-lhe o nome de Jesus, o filho da Virgem tem o nome de que Deus se faz carne para salvar o ser humano, a bênção de Deus agora está presente na carne, no filho que nasceu de uma Virgem e Mãe, o Nome de Deus está perto, a sua presença agora se relaciona plenamente conosco, que Deus faça com que nesse ano a sua graça e sua bênção esteja sempre conosco através do Mediador Jesus.

3º Esquema
Maria Mãe de Deus, muitas vezes não se entende esse dogma, Mãe é aquela que gera, mantém no ventre e dá à luz, é impossível separar a essência de Deus, por isso Maria gerando o Filho de Deus, é mãe de Deus, por Jesus ser homem tem que nascer de uma mulher e por ser Deus tem que nascer de uma Virgem, que Maria, a mãe da bênção, possa interceder para que o ano que se inicia esteja pleno da presença, da bênção de Deus.     

Natal Dia


Natal Dia

1.                  Informações básicas
- Deus assume a natureza humana
- Oração – dai-nos participar da divindade de vosso Filho.
- Leituras: Is 52, 7-10; Sl 97; Hb 1,1-6; Jo, 1,1-18.

2. Esquemas

1º Esquema
E a Palavra se fez carne e armou tenda entre nós... Deus acompanhou seu povo no deserto habitando em Tenda, o símbolo maior de ser nômade, daqueles que no deserto procuram a terra prometida, agora a Tenda de Deus não é feita de pele de animal, mas de pele humana, Deus assume totalmente a natureza humana, para nos fazer participar da divindade, como em Hebreus, esses tempos são os últimos porque o que foi anunciado foi cumprido Deus envia seu próprio filho, essa é a mensagem maior do profeta Isaías, o anúncio da redenção do exílio chegou, a Salvação de Deus se faz presente para sempre no meio da humanidade.

2º Esquema
No Princípio era a Palavra... A expressão plena de Deus, o esplendor da glória do Pai, Eterno, se faz carne, e agora Deus entra em relação plena com o ser humano através de uma criança, a Palavra que se faz carne pela ação do Espírito e nasce, agora vemos e ouvimos Deus num ser humano, o relacionamento é pleno e somos agora em Cristo gerados filhos de Deus, participantes da Divindade nascemos agora por vontade de Deus, o Natal é essa alegria plena anunciada pelos profetas, Deus quer que estejamos com Ele e nos propicia isso na Palavra que se faz Carne.

3º Esquema
E a luz brilha nas Trevas, a Palavra é luz para os passos humanos, agora essa Palavra não está mais escondida no recôndito da Divindade, mas se manifestou entre nós, para que cada ser humano possa participar da Divindade não como escravo mas como filhos gerados pela graça trazida por Cristo. No Filho do Pai encarnado e nascido contemplamos o Mistério de Deus que se manifesta historicamente, cada um de nós é convidado a contemplar a salvação de Deus e anunciar ao mundo, A Salvação de Deus se fez carne e armou tenda entre nós.    

Natal Noite


Natal Noite

1.                  Informações básicas
- A Luz rompe nas trevas
- Oração – Verdadeira Luz.
- Leituras: Is 9, 1-6; Sl 95; Tt 2,11-14; Lc 2, 1-14.

2. Esquemas

O simbolismo da luz: a Luz rompe as trevas, trevas não é somente escuridão, mas é o caos total, a falta de vida, é morte, a Luz dissipa as trevas e vai organizando a Criação (Gn 1) e guia o ser humano. Por isso, é perfeitamente válido relacionar luz com verdade e vida.

1º Esquema
A Glória do Senhor os envolveu em luz... A manifestação plena de Deus acontece situada na história, a marca do contexto judaico-cristão, Deus é plena verdade manifestada e situada na História, não é um mistério etéreo mas real, no dizer de Paulo manifestado . Por isso, o anúncio feito pelo anjo é revestido da glória de Deus, num recém-nascido sem qualquer resplendor, naquela vida humana os pastores pobres são chamados a contemplar a vida plena. Da mesma maneira que os exilados do Reino do Norte na visão de Isaías podiam ter a esperança da salvação. O canto novo dos libertos é esse hoje nasceu o salvador.

2º Esquema
Na noite santa rompe a luz que se fez carne, o ser humano que andava nas trevas agora pode contemplar a Palavra que guia o ser humano e que dá a salvação. Numa criança, num ser indefeso está a presença do Todo-poderoso, Deus se faz próximo a pastores pobres, e cada um de nós, pode alegrar-se pelo nascimento de um menino, que traz esperança aos nossos corações. Natal é a criança que vem a luz, vem à convivência humana, e no caso Deus feito carne quer entrar em relação plena conosco, o Universo rejubila, hoje nasceu o Salvador.

3º Esquema
Maria deu à luz seu Filho Primogênito... Muitas vezes ouvimos sobre o Espírito do Natal, esse é o Espírito, Deus quis nascer de uma mulher, quis assumir totalmente a raça humana, inserido na História, em meio a pobreza, um menino foi-nos dado, a salvação se faz carne, Deus entra em relação conosco não como um Senhor de escravos, mas como uma criança, o indefeso quer nos atrair para seu convívio. Esse é o mistério que se manifesta e que ilumina as trevas e nos dá a vida. Por isso, o verdadeiro Espírito do Natal é Hoje nasceu para nós o Salvador que é Cristo, o Senhor.   

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

4º Domingo do Advento B


4º Domingo do Advento B

1.                   Informações básicas
- Eis que conceberás...
- Oração –  conhecendo pela mensagem do anjo a encarnação de vosso Filho.
- Leituras:2Sm7,1-5.8-12.14.16; Sl 88; Rm 16,25-27; Lc 1,26-38.


2. Esquemas

1º Esquema
Eis que conceberás... Na proximidade do Natal, o mistério da Encarnação é vivido na Liturgia do quarto domingo do Advento. Maria, a cheia de graça, acolhe em seu seio o Verbo de Deus, a salvação é propiciada pelo sim de Maria, sim que acolhe a promessa dada a Davi de que um filho seu, seria assumido totalmente por Deus, a epifania do mistério se aproxima, mistério manifestado na História, que consiste na essência do Cristianismo. A esse mistério manifestado, da encarnação do Verbo e seu nascimento, somos chamados a participar no Natal.


2º Esquema
Alegra-te, cheia de graça... O espírito do Natal, é a gratuidade que nos proporciona uma alegria que brota da graça de Deus, a exemplo de Maria Santíssima, esse espírito brota da encarnação do Verbo, mistério manifestado na carne, e que nos exige a obediência da fé, por isso o melhor modo de nos prepararmos para o Natal é a acolher o Dom da Redenção, que cada presente, cada desejo, que a preparação das mesas, esteja presente esse espírito de Doação de Deus, que nos faz ser doantes também a nossos irmãos e irmãs, e assim cantantes do amor de Deus. .


3º Esquema
Eis que conceberás e darás a luz um filho... Deus nos salva por uma família constituída, o Verbo encarna-se e assume todo o processo de formação humana numa família, e a Mãe aqui acolhe-o com Fé, acolhe o filho de Davi, que tem a Deus por Pai, como cumprimento da profecia de Natan. A salvação cristã não é somente um pensamento positivo reforçado a cada ano, mas é Deus que adentra à História humana para redimi-la, hoje é o momento de acolhermos esse mistério manifestado na carne, o nosso sim se assemlhe ao de Maria, para que também participemos da Aliança do Senhor.  

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

3º Domingo do Advento B


3º Domingo do Advento B

1.                   Informações básicas
- Surgiu um homem...
- Oração –  celebrar as alegrias da salvação com intenso júbilo na solene liturgia.
- Leituras: Is 61, 1-2.10-11; Lc 1; 1Ts 5, 16-24; Jo1,6-8.19-28.


2. Esquemas

1º Esquema
Surgiu um homem, João Batista é aquele que com o seu batismo de conversão aponta para a Luz, dá testemunho da luz, testemunho daquele que é o ungido que vem para curar as feridas da alma, para doar a salvação, a nós que vamos ao seu encontro com um espírito sem mancha, devemos ter o mesmo espírito do Batista, para que obtendo a alegria da salvação celebrada e vivida na solene liturgia testemunhemos perante o mundo aquele que trouxe e traz a salvação, a Luz.


2º Esquema
Dar testemunho da Luz para que todos chegassem à fé por meio dele, somos aqueles que hoje pelo batismo recebido damos testemunho da luz, e nosso testemunho é apontar para a humanidade que aquele que veio, traz hoje a justiça e a salvação, por isso preparar o Natal é celebrar a alegria da Salvação na Liturgia para testemunhá-la no mundo.


3º Esquema
Não sou digno, o Advento nos faz assumir perante Deus o que somos, primeiramente apontando o que não somos, e a partir daí assumir nossa vocação de testemunha da Luz que veio e vem ao mundo, assumindo na Liturgia a salvação que o Ungido, o Messias, nos trouxe, a redenção e a liberdade verdadeiras, para que com Maria possamos engrandecer ao Senhor que fez e faz maravilhas.  

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

2º Domingo do Advento B


2º Domingo do Advento B

1.                   Informações básicas
-Preparai o caminho do Senhor.
- Oração –  nenhuma atividade impeça correr ao encontro de Cristo.
- Leituras: Is 40,1-5.9-11; Sl 84; 2Pd3,8-14; Mc 1, 1-8.


2. Esquemas

1º Esquema
Preparai o caminho do Senhor....a exemplo do mensageiro que ia a frente dos exilados que voltavam para Jerusalém após o exílio, nós devemos preparar o caminho do Senhor, como João Batista o fez, através da conversão, através da graça batismal que faz abaixar as veredas do coração e assim alegres irmos ao encontro do Senhor, essa expectativa deve ser encarada como uma verdadeira esperança de que justiça e amor se abraçarão na vinda do Senhor.


2º Esquema
Eis que envio o meu mensageiro a tua frente, a preparação do caminho para os exilados que voltam, bem como a preparação de João Batista para a vinda daquele que é mais forte, devem ser modelos para a nossa preparação para a vinda do Senhor, através de uma conversão profunda movida pela graça de Deus e do ouvir sua Palavra, para que o Dia do Senhor que virá quando não esperamos nos encontre preparados e fruiremos então a bondade e a salvação que se manifestarão.


3º Esquema
Ele vos batizará com o Espírito Santo, o ser humano é convidado a contemplar os sinais de Deus na criação, por isso a volta do exílio é uma grande alegria, bem como a conversão anunciada pelo Batista, mas é incomparável aos sinais da vinda do Senhor em nossa vida, por isso, o Senhor já nos imergiu no seu Espírito no dia de nosso Batismo, e queremos cada vez mais movidos pelo Espírito nos preparar para a sua vinda, novos céus e nova terra, vendo aqui sinais desse Reino Definitivo, sinais de justiça e caridade, que nesse Reino serão plenos. 

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

1º Domingo do Advento B


1º Domingo do Advento B

1.                   Informações básicas
-Expectativa pela vinda do Senhor.
- Oração –  ardente desejo pelo Reino celeste.
- Leituras: Is 63, 16-17.19;64,2-7; Sl 79 (80); 1 Cor 1, 3-9; Mc 13,33-37.


2. Esquemas

1º Esquema
O que vos digo, digo a todos: vigiai! Nesse tempo do advento nos é pedida uma alegre espectativa, e nesse primeiro domingo é nos ordenado: Vigiai. Em grego, gregoreite, advindo do verbo egeiro, que quer dizer ficar em pé, a posição do ressuscitado, essa é a expectativa que o Senhor quer, que de nosso coração brotasse o brado do profeta, ah se rompêsseis o céu e descêsseis, acorrendo ao Senhor com nossas boas obras, aguardando a vinda do Senhor, do encontro com Ele.


2º Esquema
Ficai atentos, ficar de pé na posição de ressuscitado não basta, o bom empregado que vigia é aquele que contempla o mundo buscando os sinais de Deus e segui-lo através de suas boas obras, para que estas deixem de ser pano sujo, e possam tornar-se testemunho do Senhor que vem, por isso São Paulo pode dizer a comunidade de Corinto que não falta dom algum, tudo o Senhor nos dá para irmos ao seu encontro, por isso sem medo servil queremos aqui e na eternidade contemplar a face de Deus.


3º Esquema
Distribuindo a cada um sua tarefa... A nossa vocação não é um privilégio, mas um serviço, que ao fazermos na graça de Deus se torna um louvor e não um pano sujo pelo orgulho humano, vocação que é específica, cada um tem sua tarefa dada por Deus e se não a fizermos, outros poderão suprir, mas é dada a nós, Vigiar é trabalhar pelo Reino, é ir ao encontro do Senhor com nossas boas obras, por isso que possamos ir ao encontro do Senhor da Vinha e dar-lhe o que lhe pertence. 

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Cristo Rei A


Cristo Rei A

1.                   Informações básicas
- o Reinado Eterno
- Oração – libertos e servindo à Vossa Majestade.
- Leituras: Ez 34,11-12.15-17; Sl 22; 1Cor15,20-26.28; Mt 25,31-46.

2. Esquemas

1º Esquema
Assentará em seu trono glorioso... Cristo morto e ressuscitado, que teve por trono sua cruz, agora glorioso julgará o Universo, e o critério de julgamento é o trono da misericórdia, seremos julgados pelas nossas ações amorosas, que produziram vida no outro, mesmo que não o reconheçamos, nossas ações reconhecem na pessoa do outro o Cristo. Este é o julgamento do Rei, é a misericórdia que separa ovelhas de cabritos, ou como no livro de Ezequiel carneiros de bodes; por isso, no Novo Adão, podemos hoje, entrar no reinado de Cristo, destruindo a morte e produzindo vida, mostrando que Ele é o nosso pastor.

2º Esquema
Eu estava com fome e me destes de comer... . Os benditos encontram o Cristo em cada ser humano, supõe e pressupõe o bem em cada pessoa humana, e fazem o bem a esses mesmos humanos. Mesmo em prisioneiros que estão presos por alguma maldade o cristão é chamado a reconhecer a presença de Deus neles. Cada vez que fizestes a cada um dos menores de meus irmãos foi a mim. O Rei dos reis, pela sua morte e ressurreição está ligado a cada ser humano, não importando cor, nacionalidade ou religião. O olhar de cada ação amorosa atinge a eternidade quando tudo será submetido a Deus, quando a felicidade atingirá os tempos infinitos.

3º Esquema
Castigo eterno e vida eterna... As nossas decisões têm um peso de eternidade, se rezamos e participamos da missa é para que cada vez mais, participando a mesa que o Senhor nos prepara conforme o salmo, para nos sensibilizar pela graça quanto a Sua presença em cada ser humano. O Senhor pastoreia a cada um de nós, e nós nos tornamos sinais do bom pastor através de ações caritativas, e seremos assim um só em Cristo Jesus, dessa forma não temeremos o juízo, mas teremos a certeza, que é o Senhor quem nos conduz.  

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

33º Domingo do Tempo comum A


33º Domingo do Tempo comum A

1.                   Informações básicas
- Os talentos
- Oração – Alegria em servir a Deus de todo coração.
- Leituras: Pr 31,10-13.19-20.30-31; Sl 127; 1 Ts 5, 1-6; Mt 25, 14-30.

2. Esquemas

1º Esquema
O empregado que havia recebido cinco talentos saiu logo... O Talento, como moeda e valor, é entregue ao servo que prontamente o aplica e fá-lo render, da mesma maneira o que recebeu dois, sai prontamente o faz render, são chamados de servos bons e fieis porque o aplicam prontamente, o talento é dado por Deus, e Deus não vê o valor mais a prontidão em aplicar o que Ele nos deu. Prontidão descrita pelo Livro dos Provérbios da mulher forte, a nossa prestação de contas será inesperada, como na segunda leitura, por isso devemos estar sempre prontos a servir e apresentar as nossas contas a Deus.

2º Esquema
Como fostes fiel em tão pouco... A nossa fidelidade está em colocar os talentos recebidos de Deus em prática, e a recompensa eterna será na medida em que os nossos trabalhos brotem desses mesmos talentos. Pois, Deus quer que o sirvamos de todo o coração, mas com alegria, a exemplo da mulher forte, por amar sua família se entrega de bom grado ao serviço, e torna essa família feliz, essa é a verdadeira vigilância e sobriedade no esperar o Senhor.

3º Esquema
Servo mau e preguiçoso... O servo que recebeu um talento e o enterrou, isto é, o apontou para o Xeol, para a morte, por ter uma visão servil de Deus, uma visão de Faraó que colhe onde não plantou, que aumenta a quantidade de tijolos e não fornece a palha, esse servo não consegue servir com alegria, mas vive na escravidão do próprio medo, fixa-se na aparência e no encanto da vida e não na alegria do servir como a mulher do Livro dos Provérbios. Por isso, peçamos a Deus que cada vez mais tenhamos a visão de seu amor para servir como família em torno da mesa do Pai. 

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Todos os Santos


Todos os Santos

1.                   Informações básicas
- A Comunhão dos Santos
- Oração –  celebrar numa só festa os méritos de todos os santos
- Leituras: Ap 7, 2-4.914; Sl 23; 1 Jo 3, 1-3; Mt 5, 1-12


2. Esquemas

1º Esquema
Bem-aventurados.... Makarioi...Feliz, bem-aventurado aquele que sabe ser pobre e deixa a graça de Deus agir, felizes são aqueles que lutam pela justiça, mas ao mesmo tempo sabem que a plenitude da justiça só está em Deus, são esses que um dia se prostrarão diante do Trono e do Cordeiro, aqueles que lavaram suas vestes no sangue do Cordeiro, quando se manifestará aquilo que somos, filhos de Deus, e juntos cantaremos: “É assim a geração dos que procuram o Senhor”.

2º Esquema
Bem-aventurados os que promovem a paz, porque estes são chamados filhos de Deus, aqueles que nesse mundo vivem a graça de Deus, aqueles que trabalham não por uma paz como ausência de guerra, mas promovendo a justiça propiciam vida plena aos seres humanos que os rodeiam. Santo não é um alienado, mas aquele que sabe-se filho de Deus e vive essa vocação juntamente com seus irmãos, sabe que um dia estaremos juntos na mansão celeste, prestando o louvor perfeito a Deus que é uma vida sem mancha “Quem tem mãos puras e inocente coração”.

3º Esquema
Bem-aventurados os perseguidos... aquele que é pobre, e procura a Deus, que busca a justiça através de um coração puro, contradiz o que o mundo prega, esses lavam as vestes no sangue do cordeiro, porque unem seu viver ao viver do Cordeiro, por isso, um dia viverão para sempre diante de Deus, num povo que abrange todas as raças e línguas, (144.000), vendo a Deus como ele é, esses morarão para sempre na casa do Senhor. 

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

31º Domingo do Tempo Comum A


31º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- o maior seja aquele que vos serve
- Oração – Deus concede a graça de servir
-  Ml 1, 14-2,1-2.8-10; sl 130; 1 Ts 2,7-9.13; Mt 23, 1-12.

Na língua grega o orgulho é conceituado como uperafanei, isto é, aparecer acima dos outros, colocar-se no lugar de Deus por si próprio e não porque Deus o coloca no lugar (maqon) como vocação.

1º Esquema
Quem se humilhar será exaltado, o filósofo Friedrich Nietzsche sarcasticamente dizia sobre essa frase, eu quero ser exaltado por isso me humilho, os seres humanos deve assumir sua condi9ção de criatura para deixar a graça de Deus agir, o levantar é ação do próprio Deus, esse era o problema de alguns mestres da lei e fariseus, colocar o poder como algo próprio e exaltar-se é sempre algo mal, como o profeta diz dos sacerdotes na primeira leitura, a alegria deve estar em servir, como Jesus o fez, promover a vida no outro e não se preocupar com a própria imagem, São Paulo deixa isso claro também ao ficar feliz, não por ser apóstolo, mas por dar a vida a comunidade de Tessalônica através da Palavra pregada. A paz de Deus é estar nos braços dele e saber que Deus é nossa única recompensa.

2º esquema
O maior deve ser aquele que serve, portanto nada de se apegar a títulos de pai, mestre ou guia, a fonte da Vida é o próprio Deus, portanto se podemos fazer o bem para alguém, se temos autoridade para o fazê-lo é por graça de Deus e não por mérito próprio, por isso não cabe querer qualquer tipo de protagonismo, o protagonismo é da graça de Deus, assumir como diz o profeta que todos somos criados por Deus, portanto somos iguais, e como criaturas devemos servir deixando a graça de Deus agir, como a Palavra de Deus produziu frutos em Tessalônica, que Deus nos graça de nos sentirmos sossegados em seu regaço, na tranqüilidade da criança que somos.

3º esquema
Façam o que eles dizem e não o que fazem... Essa lei é tão válida hoje, e não para acusar alguém, mas para termos a consciência de que nós também valemos pela Palavra que pregamos, como diz Paulo, é  a Palavra que deve produzir frutos nos fieis, e que nossos atos estão imersos no pecado e que se há algo bom é por graça de Deus, por isso todo orgulho, toda ostentação de poder ou beleza deve ser banida de nosso meio, tudo é graça, e tudo deve ser um louvor de Deus, proclama-lo como Senhor, que Deus nos dê a graça de sermos crianças que confiam plenamente em Deus e saiba que Ele é a recompensa e mais ninguém e nem coisa alguma.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

30º Domingo do Tempo Comum A


30º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- o Mandamento: Amarás...
- Oração – aumentai em nós a caridade.
-  Ex 22, 20-26; Sl 17; 1Ts 1,5-10; Mt 22, 34-40.



1º Esquema
O maior mandamento da lei...Amarás. As disputas sobre o maior mandamento mostraria que tipo de mestre seria Jesus, e Este igual o amor a Deus com todo o ser é o maior mandamento, mas também o próximo como a si mesmo, amor que é fazer o bem para promover a vida como nos diz a primeira leitura, primeiramente os mais frágeis. Portanto, o amor é concreto e efetivo e não somente questão de discussões, por isso São Paulo afirma que Tessalônica conseguiu chegar a maturidade da fé foi por imitar o Senhor e seus enviados.

2º esquema
Eu vos amo, ó Senhor, sois minha força, o Senhor é o nosso Rochedo, isto é, Ele é a base da nossa vida, nosso sustento, por isso amar com todo o nosso ser esse Senhor é a base da nossa existência, e esse amor ao Senhor nos faz amar o próximo e ver nele a presença de Deus, principalmente no estrangeiro, órfão e viúva, os mais pobres constatar que Deus está nele e ir ao encontro de suas necessidades, assim seremos verdadeiro discípulos do Cristo.

3º esquema
 O segundo é semelhante... Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. O mesmo verbo com que descrevemos nosso amor a Deus é como descrevemos nosso amor ao próximo. A sensibilidade para com Deus nasce na medida em que amamos nosso próximo, de forma concreta e ficando feliz pela sua liberdade e vida, nessa medida a fé em Deus será testemunhada verdadeiramente como o foi a fé dos tessalonicenses, assim Deus será amado e Bendito por todos os povos.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

29º Domingo do Tempo comum A


29º Domingo do Tempo comum A

1.                   Informações básicas
- Dar a Deus o que é de Deus
- Oração – A graça de servir a Deus.
- Leituras: Is 45, 1.4-6; Sl 95; 1 Ts 1, 1-5; Mt 22, 15-21.


2. Esquemas

Observação exegética – Dar a Deus o que é de Deus. As moedas eram cunhadas com a efígie do governante, imprimir uma imagem supõe que aquele metal toma do poder da autoridade para poder ser trocado como dinheiro. No caso, dar a Deus o que é de Deus, nós temos a imagem de Deus cunhada em nós, conforme a passagem de Gênesis: “E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou”.[1] Por sermos imagem de Deus, dar a Deus é fazer o ser humano, toda a sua vida ser entregue a Deus como um culto agradável (cf. Rm 12, 1).


1º Esquema
“Dar a César o que é de César”. Como na passagem do Administrador Infiel, somos chamados a aprender a lidar com a riqueza injusta, isto é, com o dinheiro, para aprendermos a lidar com a verdadeira riqueza que é o próprio Deus (cf. Lc 16, 11), por isso somos chamados a ordenar aquilo que é terreno para Deus, na medida que aprendemos a aplicar essa lei das prioridades nos tornamos verdadeiramente cristãos, e como o Segundo Isaías viu em Ciro um enviado de Deus, ver nas limitações do mundo a ação de Deus, aí sim teremos firmeza em nossa esperança, e louvaremos perfeitamente a Deus num canto novo.

2º Esquema
“Dar a Deus o que é de Deus”. A partir do que dissemos acima na observação exegética somos chamados a ver em nós e em cada ser humano a imagem de Deus, a dar o devido valor a isso, portanto dar a Deus é fazer convergir tudo a Ele, é reconhecer que até no doente ou no prisioneiro está a presença de Deus, assim conseguimos relativizar a vida, o poder e a riqueza, como no caso de Ciro, e saber que somente há um só Deus que governa o Universo e ter uma verdadeira caridade servindo a Deus nos irmãos. Isto é a verdadeira glória de Deus.

3º Esquema
Hipócrita, porque me preparais uma armadilha? Se Jesus respondesse simplesmente que era lícito pagar imposto ele estaria a favor do poder opressor, por outro lado, se dissesse que não se deveria pagar imposto seria qualificado como subversivo. Nossas análises tem que seguir a de Jesus, a resposta não é um simples não ou sim, mas saber colocar as coisas no seu devido lugar e fazê-las convergir para Deus. Assim fez o profeta Isaías vendo num governante persa a ação de Deus e São Paulo vê a ação de Deus em Tessalônica, é essa esperança da ação de Deus que nos faz rezar o salmo e pedir que todas as famílias das nações glorifiquem a Deus.


[1]Sociedade Bíblica do Brasil. (1995; 2005). Almeida Revista e Corrigida (Gn 1:27). Sociedade Bíblica do Brasil.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

28º Domingo do Tempo Comum A


28º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Todos são convidados ao Banquete
- Oração – Que a graça de Deus nos preceda.
-  Is 25, 6-10; Sl 22; Fl 4, 12-14.19-20; Mt 22, 1-14.



1º Esquema
Convidai para a festa todos os que encontrardes... O Grande encontro de Deus com as pessoas é exemplificado por uma festa de casamento, os convidados recusam, então esse convite é estendido a todas as nações, como nos diz o profeta Isaías, Deus mesmo dará esse banquete, esse espírito de gratuidade de Deus deve ser vivido por cada cristão, o banquete preparado é para todos e todos são convidados e servos nesse banquete de Deus.

2º esquema
Muitos são chamados e poucos os escolhidos... Deus dá toda a capacidade para participarmos de seu banquete, a veste é o símbolo maior dessa graça de participar do banquete da gratuidade, mas podemos recusar essa graça, confiando em nós mesmos, pois o convite de deus sempre respeita a liberdade dos convidados. É o que São Paulo nos diz, ele sempre soube viver essa gratuidade na liberdade, seja na pobreza ou na riqueza. O Sonho se realiza habitar eternamente na casa do Senhor.

3º esquema
O ser humano é um ser limitado e o banquete representa o suprir essa necessidade, Deus prepara o banquete da convivência humana, no qual toda a necessidade é suprida e alegria é plena. Esse era o Sonho do Proto Isaías, que um dia Sião seria o lugar da confraternização eterna dos povos, o próprio Senhor como no salmo seria aquele que colocaria a mesa. Assim cada convidado pode dizer como São Paulo, tudo posso naquele que me fortalece.

domingo, 25 de setembro de 2011

27º Domingo do Tempo Comum A


27º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- A vinha do Senhor
- Oração – Deus perdoa o que nos pesa na consciência.
- Is 5, 1-7; Sl 79; Fp 4, 6-9; Mt 21, 33-43.

1º Esquema
Vamos mata-lo para tomar posse de sua herança. Israel é a vinha do Senhor, Ele a quer, mas por causa do pecado humano, que quer tomar posse daquilo que é de Deus, o ser humano prejudica a obra de Deus. Ao invés de trabalhar pela paz com o outro, trabalhar pelo amor que pela entrega une ao outro e a Deus, o ser humano quer tomar posse da vida, e ao tentar fazer isso, o ser humano acaba perdendo a vida em Deus. Por isso, nessa liturgia é preciso pedir a Deus a graça de não tentar tomar posse da vinha mas servi-Lo nela.

2º esquema
Arrendará a vinha a outros vinhateiros. Os anciãos sabiam que eram sobre eles a parábola, mas a verdade não pode ser escondida, na medida que não zelamos pela vinha do Senhor, pela vida de seu povo, nós perdemos a capacidade de servir essa vinha, perdemos a vida, não se pode exercer a tirania sobre a videira do Senhor, por isso o segredo é saber que é Deus quem sustenta a nossa vida e é só a Ele que servimos, isso nos trará paz ao coração.

3º esquema
O reino será tirado e será entregue a um povo que produzirá fruto. Ou a nossa mentalidade é servir ou perderemos o Reino de Deus. Aquele que é do Reino de Deus, zela pela Obra que é Dele, sabe-se fraco e sabe que somente Deus pode dar a graça para fazer o Reino de Deus crescer. Na história o todas as vezes que o Povo tentou tomar posse da obra de Deus, a vinha foi destruída, e matou os verdadeiros servos da vinha. Por isso o Reino será tirado daqueles que tem essa mentalidade dominadora. O Senhor quer que nos ocupemos com tudo o que é verdadeiro, justo e puro, trabalhando com Ele para o crescimento do Reino de Deus, do Reino que é DELE.

domingo, 18 de setembro de 2011

26º Domingo do Tempo Comum A


26º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Ser cristão é agir bem
- Oração – Deus mostra seu poder no amor e na misericórdia.
- Ez 18, 25-28; Sl 24; Fl 2, 1-11; Mt 21, 28-32.

1º Esquema
“Qual dos dois fez a vontade do pai?” O Cristianismo é práxis, é prática que gera a vida na videira do Pai, portanto o amor cristão não é somente afetivo, mas também efetivo, isto é, é prática que gera vida, se se pratica o bem é justo, se se pratica o mal é ímpio, e a este é preciso arrepender-se e começar a fazer o bem, ter os sentimentos de Jesus é entrar nessa dinâmica de entrega de morrer para si mesmo para produzir vida. Que o Senhor mostre seus caminhos para que aprendamos a fazer o bem.

2º esquema
“Os cobradores de impostos e as prostitutas vos precedem no reino de Deus” para quem assume-se pecador, como nos diz Ezequiel, quando o ímpio se arrepende ele reconhece Deus que o perdoou e pratica o bem, diferente dos hipócritas preocupados com a própria aparência de justiça, por isso os pecadores reconhecendo-se assim, podem ter os mesmo sentimentos de Cristo Jesus e praticar o bem porque deixam a graça de Deus agir.

3º esquema
“mudou a opinião e foi...” o não do pecador que se arrepende é momentâneo porque depois reconhece a necessidade de obedecer o Pai, somente aquele que reconhece a bondade do Pai, aquele que tem ternura e compaixão, é que consegue voltar, converter-se, somente aí se reconhecendo ímpio ele se arrepende. A hipocrisia é impede ver esse amor de Deus, e impede que o arrependimento aconteça, por isso contemplando a entrega de Jesus peçamos que o nosso coração se volte para o Pai e volte a ter decisões por fazer o bem.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

25º Domingo do Tempo comum A


25º Domingo do Tempo comum A

1.                  Informações básicas
- Deus é justo e bom
- Oração – A lei é o amor.
- Leituras: Is 55, 6-9; Sl 144; Fl 1, 20-24.27; Mt 20, 1-16.


2. Esquemas

1º Esquema
“Vieram os que tinham sido contratados às cinco da tarde...” A reclamação dos que começaram a trabalhar na primeira hora, é a mesquinhez humana que não entende a bondade justa, ou justiça bondosa de Deus, pode ser os descendentes de Abraão ao verem que os discípulos de Jesus são beneficiados, ou os convertidos de primeira hora olhando os que se convertem na última hora de vida, o pensamento de Deus está muito acima de nossa mesquinhez, o desejo é a salvação de todos, como São Paulo que experimentou essa justiça bondosa em sua vida, pode agora ansiar pelo Reino Definitivo, mas se conforma com aquilo que é vontade de Deus, pois é justo o Senhor em seus caminhos.

2º Esquema
Os últimos serão os primeiros, o desejo de Deus seria que os trabalhadores da primeira hora tivessem o mesmo pensamento que Ele tem, que se regozijassem que os trabalhadores da undécima hora recebessem a mesma coisa que eles, o desejo de Deus é que o glorificassem e O louvassem pela sua gratuidade, mas o ser humano é limitado ao entender os caminhos de Deus, São Paulo conseguiu uma medida justa nesse entendimento ao colocar sua vida a serviço de Deus seja qual for sua vontade que ele fique ou morra, que entendamos que o Senhor é muito bom não para os que trabalharam o dia todo, mas com todos.

3º Esquema

Estás com inveja porque estou sendo bom?” A nossa miserabilidade de seres humanos nos fazem não entender a bondade de Deus, e queremos como diz o povo ser mais realistas que o rei, a nossa visão de justiça é fazer o outro sofre, tripudiando sobre o sofrimento alheio, é uma justiça fria e calculista e não uma justiça que procura fazer o bem ao outro, por isso devemos aprender de Deus a ser justos para salvar o próximo, uma justiça que se alegra com aqueles que mesmo na última hora decidiram por Deus, uma justiça que se alegra com o pecador que se converte, que tenhamos o amor de Paulo que mesmo totalmente em paz com Deus, aceita em ficar para fazer o bem, é uma justiça que brota da bondade, por o Senhor é bom e justo.  

sábado, 3 de setembro de 2011

24º Domingo do Tempo Comum A


24º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Fomos perdoados por isso perdoamos
- Oração – sentir em nós o amor de Deus para servir.
- Eclo 27, 33-28,9; Sl 102; Rm 14, 7-9; Mt 18, 21-35.

1º Esquema
Quantas vezes devo perdoar, a pergunta de Pedro quer delimitar o perdão, quer delimitar a compaixão. Jesus joga para a compaixão total, nessa compaixão não existe espaço para mesquinhez, uma vez que fomos totalmente perdoados por Deus e devemos assim perdoar. Mas o que é perdoar? Esquecer? É entregar o que nos ofende à Justiça do Deus que é compaixão, por isso, pensemos na Aliança, pensemos no julgamento, pensemos naquele que morreu por nós, o julgamento último é a partir do trono da Cruz. Que Deus que é compaixão nos ensine a perdoar.

2º esquema
Não devias também tu ter compaixão do seu companheiro. Experimentar o perdão de Deus é experimentar que Deus como misericórdia nos perdoou, o devedor do evangelho experimenta isso como exercício de um poder que subordina, e isso o faz querer subordinar o próximo que devia a ele, o raciocínio de Deus é a compaixão e não o poder, da mesma forma deveria ser o nosso raciocínio, pois se não temos compaixão de nosso semelhante não acolhemos a compaixão de Deus. Que a nossa limitação, nossa fragilidade humana, nos ensine a acolher o amor de Deus na morte e ressurreição de Cristo, isso nos dá a graça de perdoar, como Deus que é bondoso o faz.

3º esquema
Devia uma enorme fortuna... O ser humano é criatura, essa é a experiência fundamental, quando aceitamos essa limitação e fragilidade, e do nosso próximo passamos a ter uma verdadeira empatia, se colocar no lugar do outro e entender porque os pecados acontecem, aí conseguimos perdoar, porque experimentamos isso no perdão nos dado em Jesus Cristo. Por isso é necessário experimentar em primeiro lugar a enormidade do perdão de Deus, e em seguida pedir a graça de perdoar, que nos vem da Cruz e o que não entendemos entregar ao Deus de todo perdão e misericórdia, Ele é o verdadeiro justo, confiemos em seus juízo e misericórdia.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

23º Domingo do Tempo Comum A


23º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Correção fraterna
- Oração – A verdadeira liberdade.
-  Ez 33, 7-9; Sl 94; rm 13, 8-10; Mt 18, 15-20.

1º Esquema
Se o teu irmão pecar contra ti... A vivência em comunidade, em Igreja, comporta relacionamento que às vezes comportam ofensas é essencial aprender a corrigir o irmão, e essa correção tem como objetivo levá-lo novamente a comunhão fraterna, isso é uma obrigação profética, da qual todos prestaremos conta, o ouvir ou não por parte do irmão não compete a nós, mas a liberdade do irmão, isso é um amor não somente afetivo, mas também efetivo. Porque em tudo isso fazemos o irmão ouvir a Deus.

2º esquema
O que ligares na terra... A Igreja é comunidade, e nela devemos viver não somente um perdão ocasional, mas uma disposição permanente de perdão, por isso o irmão que peca contra um irmão peca contra toda a comunidade, e é nessa instância comunitária, nessa dimensão que o perdão deve ser acolhido, a pedagogia de levar a pessoa a ver que o seu pecado afeta toda a comunidade. Aquele que peca deve ter consciência desse mal e corrigir-se, pois o pecado é algo objetivo e afeta o amor como cumprimento perfeito da lei.

3º esquema
Dois ou mais reunidos, Deus está presente de forma especial na comunidade, é no relacionamento que experimentamos sua presença amiga e certa, o pecado agride essa comunhão e ele deve ser extirpado, por isso evidenciar essa dimensão social do pecado, como o faz o profeta é essencial para manter o corpo coeso. Senão o amor que pregamos será apenas de palavra, pois como diz São Paulo o amor não faz mal nenhum a ninguém. Que Deus nos faça abrir o coração para ouvir sua voz.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

22º Domingo do Tempo comum A


22º Domingo do Tempo comum A

1.                  Informações básicas
- Carregar a Cruz
- Oração – Que Deus derrame seu amor.
- Leituras: Jr 20, 7-9; Sl 62; Rm 12, 1-2; Mt 16, 21-27.


Observação exegética – “Vai para longe, Satanás” (Upage opiso mou, Sataná), a tradução literal do original seria uma ordem para Pedro ir para trás de Jesus, pois Pedro, conforme o aramaico satanás (opositor) estaria impedindo Jesus (escandalon) de seguir o caminho da obediência ao Pai, o caminho da Cruz. Portanto, Pedro deveria aprender a ser discípulo seguindo o Mestre no carregar a cruz.

2. Esquemas

1º Esquema
“Se alguém quer me seguir renuncie a si mesmo”. O seguimento de Jesus é o caminho da cruz, o sofrimento de cada dia unido a Deus, nesse caminho é necessário renegar a si mesmo e assumir a graça que Deus nos dá de seguir carregando a Cruz, como Pedro e como Jeremias, o clamor humano da dor brota de nosso coração, por isso somos convocados a também aprender sair da auto-complacência e recomeçar o aprendizado do carregar a cruz, oferecendo-se a si mesmo como sacrifício vivo a Deus, nossa vida proclamando; “Sois Vós o meu Deus”.

2º Esquema
“Tome a sua cruz e siga-me”. O sofrimento faz parte da vida humana, não adianta entrar em esquemas de esquecer ou fugir do sofrimento para salvar a própria vida, é preciso tomar a cruz e carregá-la com dignidade. Somos humanos e como Pedro queremos fugir ou como Jeremias clamamos que Deus nos enganou e nos enviou para uma vida de sofrimento, a graça supera tudo isso, graça que nos torna, a partir de nosso sofrimento, um sacrifício agradável a Deus, e nos faz louvar a Deus e saber que só Ele nos sacia plenamente.

3º Esquema

“Quem quiser salvar sua vida vai perdê-la”. Parece um paradoxo mas é isso, ninguém poderá salvar-se, só Deus pela Cruz de seu Divino Filho, e graça que dela advém, nos salva. Para isso, temos que renunciar a nós mesmos, aos pensamentos egoístas, não nos conformar aos esquemas do pensamento mundano, e aceitar o sofrimento que advirá da condição humana, de amar plenamente a Deus e ao próximo, é uma missão profética que nos é dada e que, como o fez a Jeremias, nos faz arder até as entranhas e nos faz sofrer. Por isso, o que Deus quer não é um perfeccionismo vazio, mas nossa vontade empenhada na luta, mesmo que essa luta desemboque no fracasso da cruz, mas desse fracasso surgirá a ressurreição, quando finalmente nossa alma será saciada. 

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

20º Domingo do Tempo Comum A


20º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- A Salvação para todos
- Oração – A graça de amar a Deus sobre tudo.
-  Is 56, 1. 6-7; Sl 66; Rm 11, 13-15.29-32; Mt 15, 21-28.

Observação importante: Uma compreensão exegética, o Evangelho tem um substrato hebraico, a mulher Cananéia é incluída no grupo dos “cachorrinhos”, tendo em vista que cachorro em hebraico é “Caleb”, lembremos que Caleb é o companheiro de Josué na tomada da Terra Prometida (Nm 13, 1 -14, 35), portanto, poderia-se ver essa relação no Evangelho, a mulher é incluída no povo eleito por Jesus (o mesmo nome que Josué).

1º Esquema
Mas os cachorrinhos também comem as migalhas... Com dito acima a humildade daquela mulher demonstra a sua fé, ao assumir-se como cachorrinha e estrangeira,  e consegue o acesso às ovelhas de Israel, a profecia de Isaías se cumpre não haverá mais pessoas excluídas e seu sacrifício será aceito, como também São Paulo os pagãos serão incluídos na Aliança provocará a união com Israel.

2º esquema
Senhor Filho de Davi tende piedade de mim... A mulher reconhece em Jesus o messias, reconhece a Aliança de Israel, e consegue que Jesus reconhece fé verdadeira nela, como o profeta o cumprimento da Justiça habilita para o estrangeiro entrar no povo da Aliança, São Paulo proclama a promessa de Deus irrevogável e os pagãos agora fazem parte dela.

3º esquema
Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor, ... Será que Jesus quis rejeitar a Cananéia? Cremos que não, quer dela exatamente o que ela ofereceu, isto é, a fé na Aliança de Israel cumprida no descendente de Davi, nela as nações glorificam a Deus por um sacrifício de Justiça, e essa vivência no dizer de São Paulo, deve ser tão perfeita a ponto de causar ciúme às ovelhas de Israel, para que haja um só povo.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Assunção de Nossa Senhora


Assunção de Nossa Senhora

1. Informações básicas
- Maria assunta em corpo e alma ao céu
- Oração – Pela assunção ater-nos às coisas do alto.
-  Ap 11,19; 12, 3-6.10; Sl 44; 1 Cor 15, 20-27; Lc 1, 39-50.

1º Esquema
A minha engrandece... Maria imaculada não poderia conhecer a corrupção da morte por causa do pecado, Ela pode verdadeiramente engrandecer o Deus de justiça e misericórdia que quer levar seu povo à plenitude da comunhão eterna, representado pela mulher revestida de Sol. Se Jesus é a primícia da ressurreição sua mãe o segue, e nós também contemplando a rainha ao lado do rei eterno, devemos nos ater às coisas do céu aqui para um estarmos eternamente com eles.

2º esquema
A mãe do meu Senhor, aquela que tem um relacionamento íntimo com o Senhor no corpo e no coração, não poderia ter pecado e portanto nos precede na plenitude do seremos, isto é, em corpo e alma no céu, mas não individualmente somente, mas como povo, como as 12 estrelas em sua cabeça, estaremos em Deus, por isso a Assunção aponta para a plenitude da nossa vida e ao olhar para nossa Mãe que essa esperança seja derramada em nossos corações.

3º esquema
Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes, a humilde serva do Senhor é elevada ao céu, somente aquele que verdadeiramente confia em Deus a partir de uma humildade a toda prova, pode ser elevado ao céu, ninguém se eleva ao céu, por isso Maria é assunta, é assumida, tomada, somente aquela que sabe-se iluminada por Deus pode chegar então até ele, nós também sigamos os passos de Maria em direção à nossa ressurreição somente, na humildade, assumindo o que somos podemos chegar a essa ressurreição, que aquela que está ao lado do rei nos ensine o caminho.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

19º Domingo do Tempo Comum A

19º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Fé e Aliança
- Oração – Considera vossa aliança e dai-nos um coração de filhos.
-  1 Rs 19, 9.1-13; Sl 84; Rm 9, 1-5; Mt 14, 22-33.

1º Esquema
Homem fraco na fé, porque duvidaste? Diante do vento a fé de Pedro vacila, fé é que leva Pedro ir ao encontro do Senhor em meio às Trevas, enquanto os outros ficam na segurança do barco, mesmo assim o vento e o mar, o caos o faz vacilar, mas mesmo assim Pedro reconhece o Senhor como Senhor e estende as mãos ao encontro da mão do Mestre. Como Elias que reconhece em meio às demonstrações de força do vento e do fogo a voz na Brisa suave, retorna ao lugar da Aliança primeira, Aliança do Povo de Israel que Jesus é a plenitude. Por isso, que esta Eucaristia seja o fortalecimento da Aliança em nossa vida, e paz e justiça se abracem.

2º esquema
Jesus subiu ao monte, do mesmo modo que o Horeb é o lugar do encontro intimo com Deus para Elias em sua missão de executar a Palavra dada por Deus, Jesus no colóquio íntimo com o Pai se fortalece na sua dominação do caos que é o vento e o mar, também nós, com a fé fortalecida na Eucaristia, a Aliança Eterna que se faz presente somos chamados a nos fortalecer, e experimentar a bondade e a salvação que Deus prometeu ao Povo de Israel e sempre, sempre dá em sua Aliança.

3º esquema
Verdadeiramente tu és o Filho de Deus, experimentar o sofrimento em meio a nossa vida com fé nos faz professar que Jesus é o Senhor, como Elias que cansado de sua luta solitária recobra força voltando ao Deus da Aliança, nós também nos voltando ao Deus da Aliança, das leis, do culto, das promessas, através de Jesus Cristo, nos fortalecemos para evangelizar na certeza de que a verdade e o amor, a justiça e a paz se abraçarão.

terça-feira, 5 de julho de 2011

18º Domingo do Tempo Comum A


18º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Deus alimenta seu povo
- Oração – Inesgotável bondade de Deus na criação.
- Is 55, 1-3; Sl 144; Rm 8, 35.37-39; Mt 14, 13-21

1º Esquema
Da compaixão (splanchizomai) do Cristo surge a vida, na multiplicação dos pães, o pão Eucarístico reúne a Igreja, representada pelo número dos 12 cestos, tornando o povo em povo livre (5000 homens), sonho de liberdade do deutero Isaías que se realiza em Cristo Jesus, por isso São Paulo pode proclamar que nada pode nos separar do amor  de Cristo, nem a fome, e nem a morte, Deus nos sacia plenamente até a vida eterna.

2º esquema
Dai-lhes vós mesmo que comer. O milagre da multiplicação dos pães não é mágica, mas fruto do amor misericordioso de Deus, que é misericórdia e piedade. Esse Deus que ama quer nos associar ao seu amor, por isso diante do povo faminto, do povo que vem pobre do Exílio, e que o Senhor convida a vir comer sem paga, pede a mesma gratuidade de cada um de nós para com o necessitado, uma verdadeira gratuidade. Nesse amor de Cristo seremos verdadeiros vencedores.

3º esquema
Eram mais de cinco mil homens,. Deus quer homens e mulheres livres, por isso o Cristo morto e ressuscitado se doa para que o ser humano seja livre, o sacramento dessa liberdade é a Eucaristia, da mesma maneira nos convida a fazer a outros livres, como o sonho dos voltam do exílio, e que buscam a terra onde haverá bens na gratuidade, um povo com terra e com bens livres, mas a verdadeira liberdade, é a proclamação de São Paulo, vitoriosos e livres do maior mal que é o pecado e a morte, e unidos a Deus para sempre no amor, o Deus que é misericórdia e piedade.

17º Domingo do Tempo Comum A


17º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Decisão pelo Reino
- Oração – usemos os bens que passam para abraçar os que não passam.
- 1 Rs 3, 5.7-12; Sl 118; Rm 8, 28-30; Mt 13, 44-52

1º Esquema
O Reino de Deus é como um tesouro, e somos chamados a decidir pelo Reino, para isso somos chamados a fazer todo o tipo de sacrifício, vender tudo para adquirir o tesouro, esse processo de optar pelo bem eterno em meio aos transitórios é a sabedoria que Salomão pede a Deus , um coração compreensivo, que saiba distinguir entre o bem e o mal, somos predestinados ao bem eterno, e a nós compete viver de acordo com a nossa vocação


2º esquema
O ser humano é chamado sempre a discernir entre o bem e o mal, essa é a verdadeira sabedoria, que sabe entender e compreender a realidade, quando assim o fazemos passamos a entender que tudo em nossa vida coopera para o bem daqueles que amam a Deus e sua lei, no final dos tempos o discernimento aprendido e realizado vai nos preparar para o julgamento de Deus.

3º esquema
O mestre da lei que se torna discípulo do Reino de Deus é como um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas, a exemplo de Salomão, como o exemplo de sábio, aquele que ama a lei de Deus no Reino de Deus sob a graça pode ter o discernimento perfeito a partir do seu coração, a sede do discernimento, e saber tirar coisas novas e velhas, sabe relacionar a lei e a graça, e assim viver a santidade.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

16º Domingo do Tempo Comum A


16º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
- Deus é justo
- Oração – Repletos de fé, esperança e caridade.
- 1ª Leitura Sb 12, 13.16-19; Sl 85; rm 8, 26-27; Mt 13, 24-43

1º Esquema
Deixai crescer um ao lado do outro. Deus é paciente,e é essa paciência, ou clemência, como é dito no salmo, que faz com que a justiça seja feita no julgamento, a Providência de Deus intervém com sua justiça, quando se manifesta verdadeiramente aquilo que o ser humano é, como na primeira leitura, até os atos maus dos ser humano, servem para mostrar a bondade de Deus, quanto a nós não entendemos muita coisa, como os empregados da parábola, por isso que Espírito mova nosso coração para entender e se não entregarmos a nossa vida à Justa Providência de Deus.


2º esquema
O reino de Deus é como a semente de mostarda. Deus age, o seu reinado sobre o mundo, é a partir de pequenos sinais, pequenas moções do Espírito Santo em cada um de nós, essa ação em cada ser humano produzirá o arvoredo da Igreja, a ação misteriosa de Deus, e como na primeira leitura, Deus age com clemência, e quer que cada um de seus filhos sejam justos. Por isso, Deus é bom, clemente e fiel, e age assim na sua criação.

3º esquema
O Reino de Deus é como fermento, o fermento age corrompendo a massa, a partir de dentro, o cristão pela sua justiça recebida de Deus, vai transformando a si mesmo e a sociedade, se torna fermento no mundo, e mesmo diante da maldade do outro, esse fermento deve continuar agindo. Que o Espírito venha em socorro de nossa fraqueza para cada um de nós seja sinal do Reino de Deus no mundo, e demonstre que Deus é justo, clemente e fiel.

15º Domingo do Tempo Comum A


15º Domingo do Tempo Comum A

1. Informações básicas
-  O Semeador e a semente
- Oração – a luz da verdade para ser cristão.
- 1ª Leitura Is 55, 10-11; Sl 64; Rm 8, 18-23; Mt 13, 1-23

1º Esquema
“O Semeador saiu para semear” Esta parábola é contada para o semeador, o evangelizador que deve confiar na eficácia da Palavra, mas que enfrenta diversas situações, sejam os espinhos do mundo, seja a ação do demônio ou aqueles que não tem raiz em si mesmo, mas o evangelizador deve confiar na eficácia da Palavra que ao cair não volta sem produzir fruto, frutos do Espírito no dizer de São Paulo.


2º esquema
A semente que caiu em boa terra é aquele que ouve a palavra e a compreende, é missão do Evangelizador confiar na eficácia da Palavra que não cai sem produzir frutos, mas é sua missão ajudar o terreno a acolher e produzir, a produção pode ser diversa seja 30, 60 ou 100, o importante não é a quantidade mas a produção, por isso, até o dia em que na eternidade, toda a criação chegará a sua plenitude, e que pregustamos pelos frutos do Espírito.

3º esquema
Mas ele não tem raiz em si mesmo, dentre os terrenos o pedregoso é aquela pessoa que é rasa, cuja compreensão da Palavra é superficial, é o que o povo diz, fogo de palha, o Semeador tem que ter consciência e ajudar as pessoas a terem raiz em si mesmo, que essa compreensão aprofunde-se no coração, no centro da decisão, por isso o Espírito de Deus deve preparar o terreno, ajudar a cada um a acolher a eficácia da Palavra e produzir frutos.

Assim, em outros esquemas pode-se trabalhar o evitar os espinhos do mundo através do fortalecimento pelo Espírito ou para evitar os ataques do mal.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

São Pedro e São Paulo


São Pedro e São Paulo

1.                  Informações básicas
- O Martírio de São Pedro e São Paulo
- Oração –  Seguir os ensinamentos de São Pedro e São Paulo
- Leituras: At 12, 1-11; Sl 33; 2 Tm 4, 6-8.17-18; Mt 16, 13-19.


2. Esquemas

1º Esquema
Pedro tu és Pedra. Pedro é Pedra pela proclamação de sua fé, mas como podemos separar a fé da pessoa que a proclama? Por isso Pedro se torna a Pedra da Igreja de Cristo, porque dá testemunho público de Jesus é Deus e homem, esse testemunho o leva a dar a vida pela Igreja, ser preso e martirizado, o mesmo testemunho dado por Paulo, que guardou a fé. Por isso, engrandeçamos a Deus como esses Santos Apóstolos o fizeram.

2º Esquema
Não foi a carne ou sangue, não é a fragilidade humana que pode ver em Cristo o Filho de Deus, mas a inspiração do Pai, inspiração que faz com que São Paulo seja o mestre das nações levando-as a proclamar o senhorio de Jesus. A nós hoje também seja derramado o Espírito de Deus para proclamar Jesus em nossas palavras e em nossa vida.

3º Esquema
Irei construir a minha Igreja, a Igreja é de Jesus Cristo, Pedro o primeiro a proclamar a fé juntamente com Paulo que completa a corrida e guarda a fé, tornam-se esteio da Igreja de Cristo, esse esteio não é somente pela proclamação, mas pela vida, um pela cruz e o outro pela espada, testemunham (martyria) que Jesus é Deus. Que esse martírio nos seja hoje fecundo e possa levar a Igreja Católica hoje a testemunhar Jesus como o Filho de Deus, e todos possam bendizer verdadeiramente o nome de Deus. 

quarta-feira, 22 de junho de 2011

13 º Domingo do Tempo Comum A


13 º Domingo do Tempo Comum A

1.                  Informações básicas
- Acolhida verdadeira é amar
- Oração –  Ser filho da Luz
- Leituras: 2 Rs 4, 8-11.14-16; Sl 88; Rm 6, 3-4.8-11; Mt 10, 37-42.


2. Esquemas

1º Esquema
Quem der um copo de água fresca. Surge nesse Evangelho a Teologia do copo de água, essa doação mínima deve ser feita não por qualquer interesse senão doar vida ao outro e agradar a Deus. Um gesto simples que se torna um verdadeiro Louvor de Deus, mas nisso nós vamos nos diminuindo para Deus aumentar, isso causa sofrimento, mas o importante é ter a disposição de Eliseu, dar vida, como Deus quer essa vida para cada um de nós. Por isso, o verdadeiro cristão é aquele que sabe morrer com Cristo para ressuscitar com Ele, tendo a certeza de fé que esse Louvor aqui se transformará num canto eterno. 

2º Esquema
Ser filho da Luz é fazer a glória de Deus brilhar em nossos atos e ações, mesmo se for um pequeno copo de água, esse amor nos leva a ver Jesus no outro, e nunca colocar qualquer ser humano no lugar de Deus, mesmo se for pai e mãe, todos tem que acolher o outro, mas sempre com esse amor eterno dentro do coração que transborda em obras de justiça. Essa é uma verdadeira espiritualidade batismal como hoje nos traz São Paulo, num mundo utilitarista essa é a verdade felicidade dos povos, como nos diz o salmo.

3º Esquema
Quem não tomar sua cruz... Cristão não é masoquista, mas toda a nossa vida na doação ao outro não deve ter outra intenção senão a mesma Entrega que Jesus teve, essa Entrega é amor presente em cada ato, seja em cada copo de água que damos, e isso pede de cada um de nós uma verdadeira gratuidade, como de Eliseu que só quer glorificar a Deus. É nessa Entrega de cruz que nós fomos batizados e é essa Entrega, esse Amor, que cantaremos eternamente. 

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Domingo de Pentecostes


Pentecostes

1. Informações básicas
-  E todos ficaram repletos do Espírito Santo
- Oração – Derramai sobre a extensão do mundo os Dons do Espírito Santo.
- 1ª Leitura At 2, 2,1-11; Sl 103; 1 Cor 12, 3-7.12-13; Jo 20, 19-23


2. Esquemas

1º Esquema
“Recebei o Espírito Santo” O ressuscitado glorificado dá à sua Igreja o dom Espírito Santo para a reconciliação total com Deus e com os irmãos, somente tal reconciliação pode dar a paz ao coração humano. Essa obra do Espírito continua na História fazendo e realizando as maravilhas de Deus, e a reconciliação do ser humano com Deus, pois agora cada ser humano pode entender a Deus em sua própria língua e assim na Igreja formarem um só Corpo, por isso que Deus envie seu Espírito e renove sua Aliança.

2º esquema
Jesus sopra sobre os apóstolos dando o Espírito Santo, o mesmo vento sobre os apóstolos os constitui como Igreja evangelizadora que leva o Evangelho do Cristo morto e ressuscitado a cada um dos seres humanos, cada um em sua própria língua pode ouvir e cada um na sua especificidade pode viver a graça de Deus para o bem comum, por isso que Deus por seu Filho envie seu Espírito e renove o coração humano.

3º esquema
A quem perdoardes... A Igreja é constituída pelo Espírito, todos e cada um formam um só corpo bem unido, mas que mantém sua especificidade, judeu ou grego, livre ou escravo, pelo batismo formamos um só corpo, essa é a novidade do vinho novo, a nova comunidade do Espírito agora pode ouvir na sua própria linguagem o anuncio do amor de Deus.

4º esquema
Realizai agora as maravilhas que operastes no início da pregação do Evangelho. O Dom do Espírito não é somente para os apóstolos, como diria Sto Agostinho, na medida da nossa fidelidade à Igreja recebemos o Espírito para nos reconciliar com Deus e assim nos constituir um só corpo. Por isso, que Deus pelo seu Filho nos envie seu Espírito e nos faça verdadeira Igreja para renovar a face da terra.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Ascensão do Senhor A


Ascensão do Senhor A

1.                  Informações básicas
- Jesus está à Direita do Pai e nos envia o Espírito Santo
- Oração –  A ascensão do vosso Filho já é nossa vitória
- Leituras: At 1, 1-11; Sl 46; Ef 1, 17-23; Mt 28, 16-20.


2. Esquemas

1º Esquema
Ide  e fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os... Pela ascensão a carne humana está imersa na Trindade para sempre, está na glória, o Cristo ao subir aos céus nos ordena a fazer com que todos os povos estejam na comunhão da Trindade até o dia em que o Cristo voltará glorioso, quando será tudo em todos.


2º Esquema
A ascensão do Senhor já é nossa vitória... Em Cristo espiritualmente já assumimos a vitória da ressurreição pela ação do Espírito Santo, por isso cada um de nós deve viver como ressuscitados buscando as coisas do alto onde Cristo está, até o dia em que as trombetas tocarem e Ele voltar glorioso para julgar vivos e mortos.

3º Esquema
Eu estarei convosco todos os dias até o fim do mundo... pela ascensão do Senhor, Ele não fica distante de cada um de nós, muito pelo contrário Ele se torna mais perto pela ação do Espírito Santo, e passamos já a vislumbrar o mundo futuro. Por isso, em Liturgia aclamamos o Senhor que se eleva até o dia em que estaremos todos junto com Ele. 

quinta-feira, 26 de maio de 2011

6º Domingo da Páscoa A


6º Domingo do Tempo Pascal A

1.                  Informações básicas
- Jesus envia o Paráclito
- Oração – celebrar com júbilo o Mistério Pascal para a vida a corresponder ao mistério.
- At 8, 5-8.14-17; Sl 65; 1 Pd 3, 15-18; Jo 14, 15-21

2. Esquemas

1º Esquema
“O Pai vos dará um outro defensor”, muitas vezes vivemos como se estivássemos sozinhos, a mercê de nossas próprias decisões, celebrar o Mistério Pascal nos leva a ter a consciência de que somos fracos e necessitamos de Deus, e que Ele está perto de nós como um defensor, um exortador, aquele que nos auxilia na caminhada da vida, o Espírito Santo acompanha-nos como a Igreja nascente realizando sua obra, e dentro de nós para que nossas decisões sejam conforme a vontade de Deus, por isso, Bendito seja Deus que me escutou e não rejeitou minha oração.

2º Esquema
“Não vos deixarei órfãos”, a orfandade é a experiência suprema da solidão, a morte e ressurreição, a saída do Senhor Jesus do plano visível não é abandono, muito pelo contrário, em nós e através de nós o Espírito Santo atua na Igreja para que o mundo todo experimente também que Deus cuida de cada um de nós, e possamos então dar a razão de nossa esperança, não como uma esperança fortuita e vã, mas testemunhada no Espírito, para que a terra inteira reconheça que o Senhor é Deus.

3º Esquema
“Quem acolheu os meus mandamentos e os observa, esse me ama”, a obra de Deus em nós santifica nos nossos corações para cumprirmos obras de Justiça, não por nós mesmos mas pela ação do Espírito Santo em nós. O desejo de Deus é que cada ser humano experimente sua presença e sua atuação, como os Samaritanos, rejeitados pelos judeus, mas agora assumidos por Deus no Espírito Santo. Por isso, que cada ser humano, glorifique a Deus pelo cântico de salmos e pela vida. 

domingo, 15 de maio de 2011

5º Domingo da Páscoa A


5º Domingo do Tempo Pascal A

1.                  Informações básicas
- Jesus, caminho, verdade e vida
- Oração – Adotados como filhos tendo a liberdade verdadeira.
- At 6, 1-6; Sl 32; 1 Pd 2, 4-9; Jo 14, 1-12

2. Esquemas

1º Esquema
“Eu sou o caminho” Jesus, como o bom Pastor é o caminho de acesso ao Pai, se há muitos caminhos que a vida propõe, Jesus não é um dos caminhos, é o caminho exclusivo de acesso ao Pai, por isso cada um de nós impulsionados pelo Espírito Santo deve viver Cristo (Gl 2, 20), de tal modo que entreguemos nossa vida ao Pai, no Espírito, através do Caminho que é Cristo.

2º Esquema
“Jesus é a verdade”. A verdade como no Antigo Testamento, não é apenas o descortinar de uma realidade, mas é a base da vida, é o seu sustento, Ele é a pedra angular, a pedra que nos sustenta, por isso Jesus pode dar o consolo a cada um de nós para que não se perturbe o nosso coração, pois Ele é esse sustento pela sua cruz e ressurreição, para que assim, como os diáconos, cheios do Espírito possamos servir o nosso próximo com a graça que vem Dele.

3º Esquema
“Jesus é a vida”. Jesus anuncia que há muitas moradas na casa do Pai, é Ele que nos dá essa vida eterna, vida em plenitude (Jo 10, 10), vida que já começa aqui, através do sacerdócio santo que exercemos pelo nosso Batismo, já vivemos como cidadãos do céu no serviço ao próximo repletos do Espírito Santo, esse é o nosso sacrifício espiritual. Que Deus nos conceda sua graça na mesma medida que esperamos n’Ele e a Ele servimos em cada irmão e irmã.  

segunda-feira, 9 de maio de 2011

4º Domingo do Tempo Pascal A


4º Domingo do Tempo Pascal A

1.                  Informações básicas
- Domingo do Bom Pastor
- Oração – O rebanho possa atingir a fortaleza do pastor.
- At 2, 14.36-41; Sl 22; 1 Pd 2, 20-25; Jo 10, 1-10

2. Esquemas

1º Esquema
“Eu sou a porta das ovelhas”, o rebanho é fraco, limitado e dependente do pastor, precisa viver na segurança do redil, o acesso a essa segurança é a porta das ovelhas. Jesus é o mediador, a porta de acesso ao Pai, por isso somos convidados a aceitar no batismo essa mediação, para que fazendo parte do rebanho e ouvindo a voz do pastor, tenhamos vida em plenitude.

2º Esquema
“O Senhor é o pastor que me conduz”. A obediência em primeiro lugar é ouvir a voz do pastor, ouvir para sermos congregados pelo Bom Pastor. Pelo mundo andávamos como ovelhas desgarradas, a morte e ressurreição do Senhor, nos congregou na Igreja, o redil do Bom Pastor, nesse redil temos a água repousante, o batismo que nos dá vida e vida em plenitude.

3º Esquema
“quem não entra pela porta...” O grande Pastor das Ovelhas é que nos reúne para termos vida, porém no mundo ouvimos muitas vozes daqueles que nos querem arrebanhar, o encantamento dessas vozes nos dispersa como rebanho e como o ladrão, que não entra pela porta, quer roubar, matar e destruir, tirar a fonte de nossa vida, a abundancia de vida que poderíamos ter no Senhor. Que cada ser humano encontre em Cristo a porta para o Reino e tenha “Felicidade e todo o bem”. 

quarta-feira, 4 de maio de 2011

3º Domingo da Páscoa A


3º Domingo do Tempo Pascal A

1.                  Informações básicas
- o Ressuscitado estará sempre conosco: Eucaristia
- Oração – renovação espiritual e condição de filhos.
- At 2, 14.22-33; Sl 15; 1 Pd 1, 17-21; Lc 24, 13-35

2. Esquemas

1º Esquema
“Será que o Cristo não devia sofrer tudo isso para entrar em sua glória?” Como São Pedro, queremos contemplar nas Sagradas Escrituras, em Moisés e nos profetas, os sinais de Cristo Crucificado e ressuscitado, nossa leitura também de nossa vida deve ver os sinais do ressuscitados em meio ao sofrimento da cruz que carregamos, Ele continua atuando e nós devemos ler que em meio ás mazelas da vida Jesus está atuando. Esse sofrimento nosso unido ao do Ressuscitado, tira nossa vida da inutilidade e aí sim, experimentaremos, que não fomos entregues a morte.

2º Esquema
“Não estava ardendo nosso coração...”, quanto mais nos encontramos com o Crucificado e Ressuscitado na Palavra de Deus e na fração do pão, quanto mais nos identificamos com Ele, mais a nossa vida terá sentido, e teremos força e coragem para anunciar que Ele ressuscitou, como Pedro no dia de Pentecostes, proclamaremos que Jesus é Senhor e Cristo, Por Ele alcançamos a verdadeira fé, e não só teremos a certeza de que Ele ressuscitou, mas nos experimentaremos que nós já a esperança plena da nossa ressurreição, a certeza de que “não haveis de me deixar entregue à morte”

3º Esquema
“Realmente o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão”. A profissão de fé da Igreja Primeira deve ser também a nossa, por isso, deixemo-nos guiar pelo Cristo morto e ressuscitado, para perscrutar as Escrituras, para que o nosso coração arda, participemos da mesa na qual Ele está presente na fração do pão, e isso nos fortalecerá em nossa vida para que baseados no testemunho apostólico, nós também testemunhemos que Deus ressuscitou Jesus, e assim, a nossa fé e esperança estejam em Deus e não em coisas fúteis, e já aqui, como cidadãos do céus, possamos saber “junto de vós felicidade sem limites”.