sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

5º Domingo do Tempo comum B

5º Domingo do Tempo comum B

1.                   Informações básicas
- Deus assume a fragilidade humana.
- Oração – só confiamos em vossa graça, protegei-nos.
- Leituras: Jó 7,1-4.6-7; Sl 146; 1 Cor9,26-29.22-23; Mc 1,29-39.


2. Esquemas

1º Esquema
Devo pregar, pois foi para isso que eu vim... A vida humana é frágil, cheia de limitações e limitada como no dizer de Jó passa mais rápido que a lançadeira do tear, no evangelho, no Dia de Cafarnaum, o Evangelista Marcos demonstra como o Filho de Deus encarnado assume e vem ao encontro da fragilidade humana curando e libertando, mas a libertação total é acolher o Evangelho de Deus, é a acolher a Palavra que se faz carne, a salvação de Deus é total corpo e alma juntos, e além de experimentar essa salvação somos convocados como nos diz São Paulo a ter a pregação do Evangelho como fundamento de nossa vida cristã, para levar toda a humanidade  em meio à toda fragilidade Louvar o Senhor que conforta todos os corações.

2º Esquema
Andava pregando e expulsando demônios... Jesus salvador ao assumir a natureza humana salva-a por inteiro, a cura dos males físicos, a expulsão de todo mal e a Palavra passa a habitar o coração humano, por isso, a pregação do Evangelho não pode ser vista como simples doutrinação ou simples cura de males passageiros, mas elevação do ser humano a comunhão divina, o ser humano experimenta a cada momento que é apenas sopro, e somente Jesus Salvador pode dar essa plena salvação, e cada um é chamado também a pregar a inteireza do Evangelho, e o caminho que São Paulo aponta é o mesmo que Cristo fez, se fazer fraco com os fracos para levá-los a plenitude da experiência de Deus conforta os corações despedaçados.

3º Esquema
E ela começou a servi-los... A experiência da salvação tem que levar o ser humano a servir como o foi a sogra de Pedro, muitas vezes hoje o egoísmo humano faz o ser humano buscar a cura em si, assumir o Evangelho é a cura plena, e é no servir no Evangelho que o ser humano descobre a sua vocação suprema, como Jó sabendo-se limitado e sofredor, mas olha para Deus e reza.. Lembra-te... são esses os verdadeiros discípulos missionários que querem servir o Evangelho levando-o a todos, e vêem nisso um encargo dado por Deus e como São Paulo podem exclamar “ai de mim se não evangelizar”, com o único objetivo de que todos com a boca e a vida Louvem a Deus de todo o coração. 

4º Domingo do Tempo comum B

4º Domingo do Tempo comum B

1.                   Informações básicas
- Autoridade de Jesus.
- Oração – adorar-vos com todo o coração.
- Leituras: Dt 18, 15-20; Sl 94; 1Cor 7,32-35; Mc 1,21-28.


2. Esquemas

1º Esquema
Ensinava como quem tem autoridade... Ao contrário dos escribas e fariseus que reportavam-se à autoridade de outras pessoas, Jesus ensina com a própria autoridade, a partir de seu próprio ser,  e diante de Jesus o mal não pode permanecer, esse é o profeta que seria semelhante a Moisés, o mais humilde e que falava face a face com Deus, um profeta poderoso em palavras e atos para guiar o Povo para a Terra prometida, quanto a nós somos convidados cada vez mais deixar essa autoridade de Jesus agir em nós e nos consagrar plenamente a Ele no dizer de Paulo, para isso o Salmo nos dá a diretriz não fechar o coração e ouvir a Voz de Deus.

2º Esquema
Um ensinamento novo... O ensinamento é novo porque é o próprio Deus encarnado que vem ao encontro de seu povo, não mais como Moisés que somente ele falava com Deus, agora cada um de nós tem a oportunidade de ouvir e tocar o Evangelho de Deus que se apresenta com toda a autoridade em nossas vidas, São Paulo nos convida a não ter outros serviços ou preocupações, mas ter a Deus como o cume de nossa vida e organizar nossa vida em torno D’Ele, por isso somos convidados nos prostrar, isto é, reconhecer que somos pequenos e adorar a Deus com todo o nosso coração.

3º Esquema
Tu és o santo de Deus... O totalmente outro se faz presença em nossa vida, o Profeta prometido por Deus ao qual deveríamos escutar está em nosso meio, e seus ensinamentos novos tem como objetivo maior fazer com que nos consagremos totalmente a Deus, como nos diz São Paulo, permanecer junto D’Ele, por isso, o Evangelho hoje nos convida a deixar que a autoridade de Jesus, seu ser, penetre em nosso coração, de tal modo que sejamos verdadeiramente transformados e todo mal seja colocado fora de nós. Por isso ouvindo sua voz, abrindo o coração para seus ensinamentos para que sejamos verdadeiros adoradores. 

3º Domingo do Tempo comum B

3º Domingo do Tempo comum B

1.                  Informações básicas
- Conversão e discipulado.
- Oração – frutificar em boas obras.
- Leituras: Jn 3,1-5.10; Sl 24; 1 Cor 7,29-32; Mc 1,14-20.


2. Esquemas

1º Esquema
Convertei-vos e credo no Evangelho... Metanoiete... a mudança de mentalidade deve acontecer para acolher o Reino de Deus, a conversão além de um voltar-se (teshuvá ou apostrefein) para o Senhor , supõe uma mudança no modo de pensar, na medida em que queremos que Deus reine em nossa vida. Quando essa experiência acontece o discípulo torna-se um missionário, um chamado para levar a boa-nova da presença do Reino de Deus aos outros, como Jonas conseguiu a conversão de Nínive somos chamado a mostrar para o mundo sua fragilidade, e o que permanece é Deus e seu Reino, por isso que Deus nos mostre o seus caminhos.

2º Esquema
O Reino de Deus está próximo... A proximidade do Reino não é somente temporal ou espacial, mas é interior, o Reinado de Deus em nossos corações que nos leva a frutificar em boas obras, nessa medida teremos autoridade para tirar os homens do caos do mar desse mundo e levá-los para Deus, ajudar assim na conversão das grandes cidades como Nínive, por isso o cristão deve viver como cidadão do céu, vive a realidade desse mundo plenamente mas de forma relativa ao céu. Nesse processo somente a verdade de Deus pode nos orientar e conduzir.  


3º Esquema

Segui-me... A vocação brota de um coração que se transformou pela experiência do Deus vivo, nessa medida temos a força necessária para deixar as redes, deixar aquilo que é transitório, a figura que passa, considerando o tempo como abreviado, e valorizar aquilo que permanece, não como alienados desse mundo, mas vivendo em nossa Nínive demonstramos pelos frutos da graça que o Reino de Deus está na proximidade do humano, e é isso que faz a vida valer a pena. Esse testemunho provoca verdadeiras mudanças de mentalidade, de conversões para Deus que é piedade e retidão. 

2º Domingo do Tempo comum B

2º Domingo do Tempo comum B

1.                  Informações básicas
- Vocação.
- Oração – Escutai as preces do vosso povo.
- Leituras: I Sm 3, 3b-30.19; Sl 39; 1Cor6,13c-15ª.17-20; Jo 1, 35-42


2. Esquemas

1º Esquema
Eis o Cordeiro de Deus... Um dia foi-nos apresentado o Senhor, como João Batista hoje apresenta Jesus a dois de seus discípulos, e nós queremos ficar com o Senhor, entrar na sua escola de discipulado para podermos viver a nossa vocação de evangelizar, e que nessa escola aprendamos a ouvir o Senhor e viver o verdadeiro Louvor de Deus, glorificando a Ele com nossos corpos, para que não façamos a vontade de Deus como escravos, mas como no salmo com prazer façamos a vontade Deus.

2º Esquema
Foram ver onde Jesus morava e permaneceram com ele, o permanecer para o Evangelista João é fundamental, e o nosso permanecer com Jesus é a nossa primeira vocação, nesse processo outras vozes nos chamam, ou como no caso de Samuel não temos os ouvidos preparados para ouvi-lo por isso se torna necessário pessoas como Eli que nos ensinam a ouvir a voz de Deus, para que glorificando a Deus com toda a nossa vida fazendo com prazer sua vontade, possamos evangelizar testemunhando “Encontramos o Messias”.

3º Esquema

“Tu serás chamado Cefas”... Deus nos chama pelo nome e o nosso encontro com Ele pode mudar a nossa vida de tal maneira, que como no caso de Simão seu nome é mudado simbolizando a vida nova de convivência com o Mestre, esse chamado também muda a vida de Samuel o tornando sacerdote e profeta, por fim deve mudar a nossa vida de tal maneira e no profundo de nosso ser, guardo em meu coração vossa lei, de tal forma que toda a nossa vida glorifique ao Senhor nosso Deus, de modo que identificados com o Senhor reconheçamos o nosso ser no Livro da Palavra de Deus. 

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Batismo do Senhor B

Batismo do Senhor B

1. Informações básicas
- Batismo e Missão
- Oração – Renascidos da água e do Espírito, perseverar no amor de Deus.
- Leituras: Is 42,1-4.6-7; Sl 28; At 10,34-38; Mc 1,7-11

2. Esquemas

1º Esquema
Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo... No Batismo de Jesus, pelo qual ele santifica as águas, o Pai o declara amado e o Espírito paira, a Criação é refeita pelo mergulho nas águas. A partir desse momento o Batismo não é somente uma vontade humana de conversão, como o Batismo de João, mas é ser mergulhado no Espírito e ser purificado na vida nova, transformados pelo Espírito do Cristo Morto e Ressuscitado podemos como o servo da primeira leitura praticar obras de justiça e da graça, ser verdadeiros missionários como nos diz São Pedro na segunda leitura, que Deus nos abençoe, a iniciativa é Dele, nos transformando para tributarmos a Ele toda glória, por palavras e obras.

2º Esquema
Tu és meu filho amado...O sonho messiânico é que surgisse um servo de Deus verdadeiro que estivesse tão unido a Deus que suas palavras e obras revelassem o próprio Deus, esse sonho-profecia cumpriu-se em Jesus Cristo, por isso o seu Batismo é a epifania da Trindade, o início de sua missão messiânica. Jesus, como no dizer de São Pedro, é o ungido por Deus com o Espírito Santo e com poder, nós somos associados a essa missão pelo Batismo, imersos na Trindade Santíssimos, recebemos a bênção do Senhor, para proclamarmos com a vida e a palavra: Glória ao Senhor.

3º Esquema
Eu não sou digno... A consciência de ser criatural é a consciência de São João Batista que o leva a acolher o Messias e batizá-lo, essa consciência devemos ter para contemplar a Trindade revelada em Jesus Cristo, no seu Batismo, vê-Lo como o Servo que veio para estabelecer a justiça sobre a terra, o centro da Aliança de Deus com o seu povo, no dizer de Isaías, reconhecendo ser criaturas nos abrimos a graça Batismal que está em nós, e assim pela Unção do Messias somos assumidos pelo Pai como filhos amados, e assim teremos toda a paz e bênção para sempre.       


Epifania

Epifania do Senhor

1. Informações básicas
- Revelação de Deus a todos os povos
- Oração – Hoje revelastes o vosso Filho às nações.
- Leituras: Is 60, 1-6; Sl 71; Ef 3,2-3a.5-6;Mt2,1-12.

2. Esquemas

1º Esquema
Viemos do Oriente adorar o Rei... O sonho de Isaías se cumpre, a salvação que está em Sião agora é reconhecida pelas nações (gói), nos reis, eles representam cada um de nós que reconhecem no menino a presença plena de Deus, no seu ajoelhar, o reconhecimento da divindade está a adoração de cada ser humano, enquanto a epifânia do Natal se restringe aos pastores de Israel, nos magos está todos os seres humanos, no dizer de Paulo, os pagãos são admitidos à mesma herança de Israel, por isso a Epifânia é a festa das nações, que hão de adorar a Deus.

2º Esquema
Ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra. Nos três presentes está a nossa vida que reconhece naquele menino o Rei que vem para servir o ser humano dando-lhe a salvação plena cujo cume é a cruz, a mirra pó utilizado no sepultamento, e finalmente o incenso reconhecendo que aquele serve através da sua morte é Deus e vem nos trazer a salvação plena. É tudo isso que o Profeta Isaías disse que as nações viriam buscar e na promessa feita aos patriarcas agora todos os povos podem participar da salvação plena.

3º Esquema

Ao verem de novo a estrela, os magos sentiram uma alegria muito grande. Na busca dos magos está a busca de cada ser humano por salvação e vida. Por isso, a alegria deles é nossa alegria, buscamos ainda essa salvação e queremos hoje nos alegrar por contemplar no Filho de Deus encarnado Deus (incenso), o Rei (ouro) e o ser humano mortal (mirra), no hoje da Liturgia queremos ir a Sião contemplar essa salvação e tomar posse da promessa e da herança que nesse menino nos é dada.      

Santa Mãe de Deus

Santa Mãe de Deus

1. Informações básicas
- Santa Maria Mãe de Deus
- Oração – Virgindade Fecunda de Maria.
- Leituras: Nm 6, 22-27; Sl 66; Gl 4,4-7; Lc 2, 16-21.

2. Esquemas

1º Esquema
Encontraram Maria e José... Na plenitude do templo Deus nasce de uma mulher, a participação dessa mulher no processo salvífico nos faz ver como deve ser nosso relacionamento com Deus, Maria virgem, totalmente fiel ao projeto de Dus, e Mãe, o relacionamento mais pleno com Deus, nos guia como deve ser o nosso relacionamento com Deus, esse relacionamento é no tempo, por isso no início de cada ano nos faz pedir que essa bênção, Deus quer nos fazer o bem, e que Maria interceda por nós para que saibamos como ela nos relacionar com Deus.

2º Esquema
Deram-lhe o nome de Jesus, o filho da Virgem tem o nome de que Deus se faz carne para salvar o ser humano, a bênção de Deus agora está presente na carne, no filho que nasceu de uma Virgem e Mãe, o Nome de Deus está perto, a sua presença agora se relaciona plenamente conosco, que Deus faça com que nesse ano a sua graça e sua bênção esteja sempre conosco através do Mediador Jesus.

3º Esquema
Maria Mãe de Deus, muitas vezes não se entende esse dogma, Mãe é aquela que gera, mantém no ventre e dá à luz, é impossível separar a essência de Deus, por isso Maria gerando o Filho de Deus, é mãe de Deus, por Jesus ser homem tem que nascer de uma mulher e por ser Deus tem que nascer de uma Virgem, que Maria, a mãe da bênção, possa interceder para que o ano que se inicia esteja pleno da presença, da bênção de Deus.